Se um cara faz com você na primeira data

Defina primeiro se você quer sair só como amigos ou algo a mais. Seja direta ao chamar o cara para passar um tempo com você. Não tenha medo de chamar um cara para sair. Ele pode achar ótimo receber o convite em vez de ter que correr atrás da moça e ficará com a impressão de que você é confiante. Para usar o Google Data Studio, você só precisa criar uma conta Google. Ou seja, possuir um e-mail do Gmail. Se quiser fazer isso agora, acesse este link, clique em “Crie uma conta” e insira os dados requisitados.. Feito isso, vá ao Google Data Studio e clique em “Use it for free”.. Pronto, você estará dentro da plataforma. Mas e se você quiser tudo isso já na primeira Redstone, não conte com isso. A primeira grande atualização do ano será focada no OneCore, ou seja, em unificar ainda mais o Windows 10 em PC, smartphones, tablets, Xbox One. Será mudanças estruturais. Dessa forma, recursos alheios a isto poderão não seja prioridade por hora. Marque as coisas que você faz/fez: ... Lembra de algo que alguém te fez 20 anos atrás e joga na cara na primeira oportunidade ... Quando um amigo fala mal de algo que você adora, você procura ... Este artigo vai te ajudar, separei 70 perguntas interessantes para fazer a um paquera, e deixar essa pessoa especial pensando em você, tenho certeza que com essas perguntas interessantes e sedutoras você se sentirá muito mais confiante quando for flertar com sua paixão.A dica é começar com conversas leves com assuntos bobos,engraçados ... Se você está se perguntando como age um homem apaixonado, certamente você sente vontade de estar perto desse homem tão especial na sua vida mas têm dúvidas se ele sente o mesmo por você. Nesse artigo de Psicologia-Online, além de te explicar como age um homem apaixonado, vamos explicar também o que acontece quimicamente no cérebro ... A primeira coisa que você deve fazer é se informar dos requisitos que a parte interessada exige na recepção de portfólio. Algumas galerias ou universidades tem modelos específicos de portfólios e você não vai gastar seu tempo formatando de um jeito para depois ter que mudar tudo de novo. Quando você faz primeira data de planos, é geralmente espera-se que você vai ficar com eles—ou, pelo menos, indício de sua data, se as coisas mudam. Infelizmente, o que não acontece com o @Chop117. Comentário de discussão Chop117 comentário de discussão “o que é o pior 1ª data de você ter sido?”. Claudia Leitte surpreendeu os fãs na tarde desta quinta-feira (27) ao revelar a chegada de mais uma música de trabalho. A escolhida da vez é “Desembaça”, que chega às plataformas de streaming no próximo dia 18 de setembro. De acordo com a própria artista, esta é a primeira amostra de uma agenda de lançamentos e parcerias que devem se estender até o fim de 2020. É tanta desinformação a respeito que, mesmo que você nunca tenha transado NA VIDA, você congela na hora de ver o resultado. 13. A primeira vez que você apresenta um namorado pra todo mundo.

O dia que eu fui mais ingênuo do que de costume.

2020.08.05 01:36 Biscoitiiii O dia que eu fui mais ingênuo do que de costume.

Olá Luba, editores, gatas, células na barba quase inexistente do luba, set gamer do Luba e finalmente: a Turma que está a ver e observar esse post.
PS: Sou de SC, prepara o sotaque.
Tudo começou no fim de 2018. Eu estava na casa do meu pai em SP para fazer uma visita. Naquele tempo eu estava extremamente fragilizado, eu estava meio triste com saudade da minha dog, minha mãe, meu namorado e claro, minha vida normal. Mas eu tinha que esperar até 5 de fevereiro para pegar meu avião de volta pra casa. A data era 31 de dezembro, bem na véspera de ano novo.
Meu pai me levou numa praia pra assistir a queima de fogos. Quando chegamos lá colocamos nossas cadeiras de praia no chão e sentamos enquanto meu pai e minha madrasta bebiam uma lata de cerveja. Depois de beber MUITO eles decidiram ficar lá observando a vista do mar e rindo muito. Eu por minha vez, fiquei com um grupinho de pessoas da minha idade. Os caras eram tão manipuladores que conseguiram me incluir numa brincadeira de verdade ou desafio. Quando chegou minha vez eu escolhi desafio achando que seria só um "Sobe aquela árvore" ou "Faz polichinelo de um pé só" ou até "Beija o Karls" mas ao invéz disso, os seres me desafiam a caminhar por um beco escuro que ficava perto de um prédio. Se acha que eu caminhei você errou. Eu tenho ao menos um pingo de bom senso pra saber que é perigoso até de morrer. Mas como castigo por não ter cumprido o desafio, eu tinha que ficar sozinho num parque que tinha lá perto.
Esse tipo de brincadeira é sério, se vc n fazer oq eles desafiam especialmente nem conhecendo eles... TIROS PODEM ROLAR A SOLTA.
GRAVE engano. Após uns segundos lá, um cara lá chegou e.. de repente.. Puxou as calças dele e começou a fazer "carinho" no binguliruliru dele. Pode parecer mentira, mas eu juro que n é.
A sorte minha foi que o grupinho viu aquilo e me deixou ir embora de lá.
Tudo seguiu tranquilo, mas eu tive a chance de quase ser estuprado. Essa foi minha história, desculpa n falar muita coisa, é a primeira vez que eu conto isso pra alguém e é um assunto que me dá vergonha, mas eu me sinto melhor tirando esse peso do meu ombro.
Eu não tenho mais muito o que dizer, só que eu conheço seu canal desde que vc fez aquele vídeo onde vc fez teste do Buzzfeed pra ver se vc era yag. Então se cuida.
Abraços <♾️
submitted by Biscoitiiii to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 18:57 PedroMR18 Eu sou o babaca por brigar/discutir com um homossexual (leia tudo para entender mais)

Olá Luba, gatas, editores, convidado que quase nunca está aí (não é bullying se é verdade) e turma. Meu nome é Pedro e eu sou de Belo Horizonte, ent se quiser fazer o sotaque mineiro, pode fazer.
Obs: desculpa se ficou muito grande a história
Título: Eu sou babaca por discutir com uma pessoa homossexual?
(Eu sei que o título já diz que eu devo ser o babaca, mas continue lendo pra poder entender de todos os detalhes)
Bem tudo começou no início desse ano, quando eu entrei em um grupo de Whatsapp, aí assim que eu fui perguntar o que que tava acontecendo, a minha amiga, vamos chamar ela de Bianca (ela era a Admin do grupo) falou que depois daquela última vez, ela queria tentar sair de novo (meus amigos e eu tentamos sair em grupo no final do ano passado, mas acabou não dando certo). Aí quando eu fui ver, já tava todos os meus outros amigos, ela(Bianca), eu, vamos chamar os outros amigos de Alice, Karen(diferente das outras, essa é legal) e o Herman. E eu, como a maioria das pessoas de 14, 15 anos, que é bastante comum sair com os amigos nessa idade, eu nem pensei duas vezes e já aceitei o pedido(também eu só consigo ver eles pessoalmente 2 ou 3 vezes por ano, porque eu tinha me mudado de escola já faz uns 3 anos, mas eles não, só o Herman e um outro amigo meu que foi comigo para outra escola). Pois bem, além de mim, todo mundo também concordou sobre a idéia, o problema era pensar em um lugar legal para a gente poder ir e no dia e hora. Ao longo daquele dia, foi surgindo várias ideias, até q as duas que chamaram mais a atenção foram da gente ir no paintball e no Scape Room. Quem tinha pensado no paintball foi a Karen e quem pensou no Scape Room foi a Bianca, e sem pensar duas vezes, eu concordei na ideia da Karen, a do paintball, pois eu já tentei ir acho que 4 vezes em algum paintball, mas eu nunca consegui, então eu vi em mim uma oportunidade de eu finalmente conhecer, sentir, pisar, e o mais importante, jogar paintball pela primeira vez na minha vida. Depois de algum tempo, a Bianca teve a "brilhante" ideia de querer chamar mais gente para pode ir no passeio, todo mundo aceitou a ideia e nós começamos a chamar mais gente. A Bianca acabou chamando duas pessoas, vamos chamar eles de Marcelo e Léia, e eu chamei aquele meu outro amigo que foi pra mesma escola que eu, vamos chamar de Carls. Ok, agora ao invés de 5 pessoas, nós agora tínhamos 8 e até agora nós já tínhamos planejado apenas um terço do passeio, que é quem que vai, os outros dois terços eram aonde e quando que seria, então depois do Marcelo, Léia e Carlos terem entrado no grupo, nós fizemos uma votação para saber em qual lugar nós iríamos, e de oito pessoas, ficou 5 a favor do paintball e 2 a favor do Scape Room. Assim que vimos os votos, todo mundo aceitou a ideia do paintball, menos a Bianca, por que pra mim, deu pra perceber que ela tinha perdido o ânimo de ir no passeio por que perdeu uma votação boba e que queria muito ir no Scape Room, mas eu não tinha tanta certeza disso e não falei nada e só continuei seguindo a minha vida. Bem, depois de algum tempo, talvez até um dia depois, ouve o ponto principal dessa história, enquanto todos nós estávamos planejando tudo, as vezes nós zoavamos, brincava, se divertia e conversava uns com os outros, e uma das pessoas que estava fazendo isso era o Marcelo, e ele conversava tanto, mais tanto, que na primeira hora que ele entrou no grupo, eu já descobri que ele era homossexual, estudava na mesma escola que as meninas e mais um monte de coisa. Até aí tudo bem, mas é agora que deu ruim, por que um dia, eu estava com uma dúvida sobre tal assunto, aí o Marcelo veio me responder desse jeito: "Amado, não é assim não...".Na hora, eu achei aquilo muito estranho e fui dizer a ele que eu não queria ser gay e que eu estava afim de uma menina, o problema é que ele gostava muito de falar a palavra Amado(a), só que já que as meninas eram as que mais falavam naquele grupo, ele acabava falando mais a palavra amad(A) do que amad(O), e eu só percebi isso dias depois, e depois de eu ter falado aquilo com ele, ele do nada começa a me xingar, discutir comigo, ele até começou a do nada falar ou cuidar da minha vida pessoal, como que eu nunca vou ter uma namorada e etc, e ele ainda falou que EU é que estava cuidando da vida dele, e pra piorar, a Bianca simplesmente do nada começou a apoiar o Marcelo, eu não sabia se ela queria zoar da minha cara ou se ela estava querendo jogar toda a raiva dela em mim. Na hora eu não estava entendendo mais nada, e toda vez que eu tentava pelo menos explicar alguma coisa, mais comentários ruins estavam chegando, não dando nem como eu explicar pra ele a situação. A parte boa dessa discussão foi que pelo fato de eu ser uma pessoa "muito zoeira", eu as vezes mandava umas figurinhas durante a discussão, e eu lembro que o Herman até me ajudou uma hora mostrando a figurinha da carta reversa do Uno. Bem, a treta continuou por um tempo, e acho que estava todos lendo a conversa, até que uma hora eu decidi sair do celular por um tempo e fui fazer outras coisas da minha vida, a sorte é que eu estava com raiva, mas é aquela raiva que você quase nem sente ela por dentro (não sei explicar melhor). Bem, chegou o grande dia, o dia em que eu finalmente jogaria paintball na minha vida, o problema é que eu não parava de pensar no que o Marcelo disse ontem, mas eu não deixei isso me atrapalhar. Chegando lá estava todo mundo, menos a Bianca (vocês já sabem o por que), quem não estava lá também era Léia, pois ela disse que ela infelizmente não tinha como ir e tinha que cuidar do irmão (eu não sabia se era verdade ou não, mas ela era legal, então eu acreditei naquilo) e quem também não estava lá era a Alice, e você deve estar se perguntando, o que aconteceu pra ela não poder ir?, e eu respondo: nada, ela não falou nada. Eu só não me abalei com as 3 não poderem ter conseguido ir, por que eu já estava cansado de ter que mudar a data do passeio por causa que não dá para alguém ir em tal dia, e também o Carlos tinha chamado um outro amigo dele e o irmão dele. Bem, depois de eu ter chegado lá, estava todos sentados no vestiário, provando as roupas, e quando eu sentei no banco que tinha lá, a primeira coisa que a Karen fala para mim é: "eu falei com a mãe da Bianca e ela disse que não sabia de nada sobre o passeio", na hora eu não falei nada, mas dentro de mim estava uma festa por que eu sabia que ela tinha deixado de ir por alguma coisa. Bem, depois de vestirmos as roupas, nós fomos para a área de tiro, e lá a gente jogou por um 1 hora (obs:eu e o Marcelo ficamos no mesmo time, e nada deu errado, nós até ganhamos o jogo e eu JURO que antes do jogo, eu iria apertar a mão dele e dizer: bom jogo, mas acabou não dando certo, pois já estavam todos esperando e eu ainda tinha que guardar minhas coisas pessoais), e depois do jogo, nós aproveitamos e fomos no shopping que tinha do lado do paintball, e lá nós fomos comer, lá estava legal, as unicas partes ruim de lá é que eu fui enganado pelo burguer King, pois eles me deram um hambúrguer vegano que tinha carne (aquela carne que é modificada pra ter apenas coisas sem carne), e a outra coisa ruim foi que eu não conversei muito com a Karen, pois ela veio junto com o Marcelo e ele estava do lado dela o tempo todo, e eu não iria conversar com uma amiga que eu gosto com uma pessoa que não gosta de mim do meu lado. Bem, esse foi o meu dia, foi muito legal pra mim, e quase nada me tirou do sério. PARTE BÔNUS: alguns dias depois, quase ninguém falava mais nada naquele grupo(detalhe, a Léia é grande fã sua e ela acabou colocando uma foto sua de perfil e mudou o nome para Bahh néh vish kk), só falamos de como foi o dia e depois só, até que veio um dia em que o Marcelo continuou falando mal de mim e até me retirou como um dos admins do grupo, mas eu consegui ser uns dos Adm de volta e depois ele falou que se eu encostar, conversar ou me meter com os amigos dele (que também eram os meus amigos), ele disse que eu estaria ferrado, e eu acabei falando que eu estaria MUITO ferrado, pois 2 dias depois seria a festa de aniversário do Herman, e todos estariam lá, menos ele e a Léia(o problema é que ao invés de falar que seria daqui a 2 dias, eu acabei falando q seria no dia seguinte, o que fez a Bianca e o Marcelo rirem de mim). Uma semana depois o Marcelo resolve sair do grupo e fala por que "ele já estava em outros grupos" e a última coisa que ele falou antes de sair foi: "ahh, e Pedro, deixe de ser um babaca, ok?". Na hora em que eu li a mensagem, eu falei pra mim mesmo: "esse cara é um sem vergonha" e já que eu sou uma pessoa meio que "teimoso", eu fui falar com ele no privado sobre ele ser um sem vergonha, e logo depois ele começa a cuidar da minha vida de novo e fala que ele dá mais valor pras meninas do que eu e que ele ajuda elas nos momentos mais difíceis, uma mentira, pois eu falo com elas todos os dias (por causa da quarentena eu deixei de falar um pouco) e já resolvi muitos problemas delas. Depois daquilo tudo, eu resolvi bloquear ele e eu nunca mais vi uma mensagem dele.
E então, quem foi o Babaca da história?
Bem Lubisco, espero que tenha gostado da história, desculpa se ficou muito longo, mas eu precisava escrever isso, espero que tenha gostado, assisto todos os seus vídeos já faz um ano (por incrível que pareça, eu comecei a ver eles no dia do seu aniversário do ano passado kkkkkk). Beijos, tenha fé que você não vai morrer sozinho, use sempre fones de ouvido daqueles de obra quando o Jean estiver no vídeo, não postem memes no turma-feira, volte a reagir o canal Janela da Rua, termine o Led, concerte os papelões e te adoro ≥30.
View Poll
submitted by PedroMR18 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.31 10:34 o_arrombado_da_3b Meus "colegas" de sala não foram com a minha cara e decidiram me f#der

Criei essa conta só pra postar isso pois caso esse post receba atenção eu não quero meu nick estampado nele
[AVISO DE POST LONGO]
Acho melhor eu contextualizar vocês um pouco antes de ir direto pra história
Tenho 17 anos, estou no terceiro ano do ensino médio. Sou uma pessoa extremamente tímida e antisocial tenho problemas para me comunicar e fazer amigos -tanto que tenho apenas dois que estão comigo a uns 5 anos- porém no fim de 2019 me mudei de uma cidade relativamente pequena (200mil habitantes) pra ir morar com meu pai na capital pois meu relacionamento com a minha mãe era algo que tava me fodendo psicológicamente e eu não prefiro nem lembrar.
Agora vamos para a parte que importa
(Começo do ano) Como disse já estou no meu ultimo ano escolar, depois de 11 anos na mesma escola simplesmente mudar do nada não foi uma experiencia muito agradavel, boa parte devido ao fato de que jovens são meio arrombados e também por que eu não me encaixo em nenhum grupo (nunca consegui me encaixar em nenhum na escola antiga também mas isso nunca me incomodou) e a maioria ja estava "fechado" com pessoas que já se conheciam previamente. Então eu pretendia passar mais um ano da minha sem me relacionar com ninguém e depois só seguir a vida.
(Fevereiro - Março 2020) Algumas semanas de aula se passam e tudo está ótimo; eu não enchi o saco de ninguém e ninguém encheu o meu, até que chega um rapaz pedindo meu número pra me colocar no grupo da sala, obviamente aceitei porque grupos de sala são extremamente úteis pois sempre tem os herois que mandam exercícios trabalhos e etc. . (Vale citar que que algum tempo atrás ele tava passando de mesa em mesa coletando número de todos da sala mas passou direto por mim, não liguei muito por que pelo menos no grupo da sala eu ia estar já que no ultimo ano eu passei meu número pro cara que era adm do grupo e ele cagou e nunca me adicionou)
Dois dias depois estou eu no meu canto mechendo no meu celular lendo um livro e cuidando da minha vida quando chega uma menina falando comigo, ela tava agindo um pouco estranho e percebendo isso eu olho pra trás dela e tem o grupo de amigos dela (que por acaso tem o mesmo rapaz) e vejo que todos estão dando risada. "Qual é o seu nome?" ela perguntou. "⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀" eu respondi. Então ela diz que me achou bonito com um sorrizo irônico no rosto (nem que tivesse com a cara mais séria do mundo eu acreditaria) e também diz que queria me dar um abraço. Eu olho pros amigos dela e eles tão rachando o bico como se fosse a coisa mais engraçada do mundo. Nessa hora eu estava extremamente desconfortável (não me leve a mal mas eu já não gosto muito de contato físico, muito menos com uma pessoa que eu nunca vi na vida) eu tento negar educadamente e me afastar da garota quando ela me abraça e tenta me beijar, Nessa hora eu levanto da minha cadeira bem rápido pra me afastar e digo de forma bem clara pra garota me deixar em paz. Ela volta pros amigos dela e eu tento retornar ao meu estado de tranquilidade e ler meu livrinho. Daí pra frente começou a desandar, toda vez que era conveniente os amigos dela traziam o assunto pra todos de como eu era cusão que deu um fora na amiga deles e empurrou ela; Atividade em grupo? "Não faz com o⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ não em que ele deu um fora empurrou minha amiga" Ed. Física? "Cuidado com o ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ele gosta de empurrar" Muito engraçado porém pra mim não foi um grande problema por que eu decidi que não ia me incomodar com isso. E então chega aquela semana onde paralisaram as aulas pela primeira vez e todos os professores decidiram passar trabalhos para os alunos fazerem em casa,eu tinha fotos e anotações de todos eles no meu celular porém como sou alguma espécie de clean freak moderno e constantemente formato meu mini-aparelhinho computadorizado acabei me esquecendo de salvar esses arquivos tão vitais para minha vida escolar, mas ainda havia esperança, o grupo da sala que estava mofando a algum tempo no canto de grupos silenciados.Bom jovem moderno procrastinador que sou e também por que esqueci da existência dos trabalhos, faltando uma semana e alguns dias pra data de entrega dos trabalhos abro o grupo e envio: "Alguém poderia me passar os trabalhos por favor? Acabei perdendo aqui". Ai o maluco me manda: "Olha só ele fala" e a outra menina: "Eu até te passaria se vc não fosse um arrombado" e então eles começam a falar sobre mim eu só fecho e grupo e deixo ele lá no canto já não tinha esperança de que ia conseguir esse trabalho mesmo como infelizmente estava em casa e não tinha contato com nenhum professor. Chegou outra onda de trabalhos um tempo depois e os arrombados fizeram questão de me kickar do grupo, mandar os trabalhos e me adicionar de novo e também tentam criar essa imagem para os outros que eu sou um arrombado. Fast Foward pra hoje já perdi 3 trabalhos de cada matéria algumas apostilas e tudo que há de bom. Isso tem rondado a minha cabeça pois estou preocupado com as minhas notas, pelo menos minha escola vai aderir ao google classroom em breve e acho que não terei mais problemas com isso. Eu não ligo muito pro que pensam de mim mas porra, minhas notas né velho.
submitted by o_arrombado_da_3b to desabafos [link] [comments]


2020.03.22 22:24 Bu3n00 CORONAVÍRUS: SEM LICITAÇÃO, MANDETTA PAGA 67% MAIS CARO PARA COMPRAR MÁSCARAS DE EMPRESA DE BOLSONARISTA

Hyury Potter 22 de Março de 2020, 14h27 Máscaras vendidas pela Farma Supply custam R$ 1,60 a unidade, mas outro fornecedor cobrou R$ 0,96% do Ministério da Saúde. Contratos valem R$ 18,2 milhões. Foto: Paco Freire/SOPA Images/LightRocket via Getty Images SEM QUALQUER EXPERIÊNCIA em fornecimento de material hospitalar, uma empresa chamada Farma Supply ganhou do Ministério da Saúde dois contratos para a compra de máscaras cirúrgicas que juntos somam R$ 18,2 milhões.
Graças ao estado de emergência decorrente da pandemia do coronavírus, a empresa foi escolhida sem que houvesse concorrência pública. As máscaras que ela fornece, porém, são 67% mais caras que a de uma concorrente que também fornece ao governo federal.
A Farma Suply tem como sócio e administrador Marcelo Sarto Bastos, um militar aposentado da Marinha e bolsonarista fervoroso. Em sua página no Facebook, ele tem um histórico de postagens a favor do presidente Jair Bolsonaro e aliados. É também apoiador da criação do Aliança, o partido que o presidente quer criar.
Fortaleça o jornalismo em que você acredita FAÇA PARTE Fortaleça o jornalismo em que você acredita O ministério comandado por Luiz Henrique Mandetta autorizou em 5 de março a dispensa de licitação para o contrato nº 54/2020. Ele prevê o gasto de R$ 2,4 milhões na compra de 1,5 milhão de máscaras a um preço unitário de R$1,60.
Para isso, usou lei federal 13.979, de 6 de fevereiro, que prevê a realização de compras emergenciais sem licitação para o enfrentamento da pandemia de covid-19. Para participar, basta que a empresa não tenha nenhum impedimento legal de realizar contratos com o setor público.
Só que, no mesmo dia, o Ministério da Saúde fechou outro contrato para a compra do mesmo produto. A vendedora, dessa vez, foi a BRT Medical de Materiais Hospitalares, de João Pessoa. Idênticas às da Farma Supply, cada máscara da BRT irá custar 40% menos: R$ 0,96 a unidade.
O Intercept verificou outros editais de compras de máscaras cirúrgicas e encontrou diferenças ainda maiores de preços. A Prefeitura de Belo Horizonte, por exemplo, comprou máscaras com descrições similares em janeiro deste ano e pagou R$0,14 por unidade. Ou seja, 12 vezes menos do que o valor pago para a Farma Supply.
Relacionado Tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus e a covid-19 Uma semana e meia depois das primeiras compras, em 17 de março, Mandetta assinou um terceiro contrato para a aquisição de mais máscaras. Em vez de optar pela mais barata, porém, fez o inverso e entregou mais R$ 15,8 milhões à Farma Supply. Detalhes deste contrato, como o número de máscaras e o valor unitário, ainda não foram publicados no site do ministério.
A paraibana BRT já participou de ao menos 12 licitações para fornecimento de material médico para hospitais federais do Nordeste. A Farma Supply, porém, é novata em vendas ao governo federal: até ganhar os dois contratos sem licitação deste mês, tinha vencido apenas uma licitação federal – e não na área médica. Em 2014, recebeu R$ 449,10 por garrafões de 20 litros de água mineral comprados pelo Ministério da Cidadania para o Museu da República, no Rio.
Assine nossa newsletter Conteúdo exclusivo. Direto na sua caixa de entrada.
Eu topo Criada em 2011, a Farma Supply informa em seu site que “assessora pacientes na aquisição de medicamentos importados de última geração em caráter de urgência”. Ou seja, ajuda quem deseja comprar remédios que não são produzidos no Brasil, mas podem ser comprados por brasileiros por atenderem a padrões internacionais. À Receita Federal, diz que também faz “comércio atacadista de instrumentos e materiais para uso médico, cirúrgico, hospitalar e de laboratórios”.
A Farma Suply tem como sócio e administrador Marcelo Sarto Bastos, um militar aposentado da Marinha e bolsonarista fervoroso.A Farma Suply tem como sócio e administrador Marcelo Sarto Bastos, um militar aposentado da Marinha e bolsonarista fervoroso. Reprodução: Facebook A soma dos dois contratos da Farma Supply com o Ministério da Saúde é mais de 180 vezes maior que o capital social que a empresa informa à Receita Federal: R$ 100 mil. O endereço que consta no site oficial é um pequeno prédio comercial na zona oeste do Rio de Janeiro. Não há qualquer informação sobre que estrutura ou quantos funcionários a Farma Supply possui para dar conta de produzir ou importar R$ 18,2 milhões em máscaras cirúrgicas no prazo de 30 dias previsto no contrato.
Em fevereiro, o governo federal chegou a abrir um edital para a compra de 24 milhões de máscaras, mas enfrentou dificuldades para encontrar uma empresa que atendesse à demanda. A solução encontrada foi dividir as compras em lotes de 500 mil unidades e realizar as compras sem licitação.
Se lhe falta de experiência em vendas ao governo, a Farma Supply coleciona negócios que terminaram na justiça. Em março de 2018, a empresa foi condenada à revelia no Tribunal de Justiça de Santa Catarina e teve R$248 mil em bens bloqueados por não ter quitado uma dívida de compra de equipamentos realizada em 2016. O processo foi movido por uma empresa de máquinas têxteis de Blumenau.
Um ano antes, A Farma Supply foi processada por uma empresa de São Paulo que importa insumos à base de canabidiol, substância presente na maconha, para a produção de óleos medicinais. A empresa cobra R$ 218.484,89 por um suposto calote na venda de medicamentos. O caso está na segunda instância no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
A crise do coronavírus Leia Nossa Cobertura Completa A crise do coronavírus O Intercept entrou em contato com o Ministério da Saúde e com a Farma Supply na noite de sexta-feira, 20, mas não obteve respostas até a publicação desta reportagem. O ministério foi questionado sobre critérios de escolha para seleção dos fornecedores, o motivo da diferença de preços em relação à compra realizada com a BRT Medical na mesma data e se o histórico judicial da Farma Supply foi levado em consideração.
O uso desse tipo de máscara cirúrgica é recomendado para quem está com sintomas da covid-19, para quem está cuidando de pessoas infectadas ou para profissionais de saúde. Como aconteceu com álcool gel, a alta procura nas farmácias fez o produto sumir das prateleiras e Organização Mundial de Saúde já alerta para a possibilidade de falta de material.
submitted by Bu3n00 to brasilivre [link] [comments]


2020.02.15 02:28 carretinha O padre e A Baronesa

Em uma aldeia havia um padre conhecido pela sua piedade com os monstros. Possuídos de todos os lugares viajavam até a pequena aldeia para serem curados de seus demônios. O padre atendia em uma pequena igreja, sem bancos, feita de madeira, pintada de branco, que era quente demais no verão e fria demais no inverno. A simplicidade das instalações não incomodava aquele sujeito humilde, porém a Baronesa se contorcia de ver um servo de Deus trabalhar num lugar tão mal cuidado. Claro, isso não seria um problema se Ela não tivesse que ‘visitá-lo’ toda dia de missa.
A Baronesa, dona daquelas terras e outras na região, tentava emplacar seus novos produtos no mercado. Máquinas como o mundo nunca tinha visto, criaturas metálicas espertas, programadas para todo tipo de tarefas: limpeza, construção, cuidado com as crianças, vigilância dos escravos, mordomos e tudo mais que o cliente pudesse imaginar. Mas o povo, pobre de conhecimento e ainda mais pobre de dinheiro, olhava para as máquinas com desconfiança, viam em seus olhos amarelos e iluminados motivações ocultas e sombrias. A Baronesa, sabia o que o povo pensava de suas construções e se surpreenderia se fosse diferente.
“Esses ignorantes e imbecis, não compreendem os avanços da tecnologia! Mas de que adianta? Ainda que entendessem, nada poderiam fazer! Essa gentalha não consegue manter uma moeda no bolso. Oh, imagine! Nem que juntassem todos os pobretões de todas as aldeias da região, não conseguiram comprar um peça das minhas maravilhosas máquinas.”
O que a surpreendia era a reação dos seus pares, os sofisticados baroneses, duques e nobres, que rejeitavam com igual força suas ideias sobre a modernidade.
“Minha querida Baronesa, a senhora possui tantas terras boas, devia focar em cultivá-las ao invés de construir essas criaturas de metal.”
Para impressionar a nobreza, encontrar possíveis compradores ou pelo menos alguém que a apoiasse, a Baronesa gastava partes enormes da sua interminável fortuna com festas e mais festas. Onde as máquinas serviam, cozinhavam, faziam segurança e entretinham os convidados, sem parar, sem reclamar e sem se cansar.
No entanto os barões, duques e nobres não pareciam impressionados e tratavam com profunda indiferença as maravilhas da tecnologia. Num mundo iluminado por velas, onde moinhos de água tinham acabado de ser inventados, tais criaturas metálicas pareciam apenas uma alegoria festiva, um enfeite, algo que está ali por estar e ao mesmo tempo não existe, uma mistura estranha entre personagens bizarros de circo e mendigos de rua.
Foi durante uma missa, num dia extraordinariamente quente, agravado pelas instalações da igreja; no meio da aglomeração do povo, que se agregava mais próximo do altar para acompanhar mais um exorcismo e cura de um monstro; onde a nossa querida Baronesa se sentia absolutamente desconfortável; que Ela teve a ideia de que
“Se meus pares fecham os olhos para as modernidades, a igreja há de abri-los.”
Foi assim que irrompeu um grito pedindo atenção. O povo, até então atento a cura, voltou-se para Ela. Até o monstro sobre o altar se virou. O único que não se mexeu foi o padre, pois aquele era o momento mais crucial do exorcismo, se ele saísse do transe a alma daquela pessoa poderia se perder para sempre.
“Senhoras e senhores, desculpe-me interromper o espetáculo que é a cura divina! Todavia preciso anunciar para todos vocês, que depois de tantos anos que passamos neste lugar caindo aos pedaços, finalmente teremos uma nova igreja! A doação, claro, será feita do meu próprio bolso e construída com minhas próprias máquinas, de modo que todos só tem a ganhar.”
O povo que desconfiava no começo da fala, sorriu ao ouvir ‘do meu próprio bolso’. Mas logo fechou a cara novamente, ao ouvir ‘com minhas próprias máquinas’. Afinal, se não fossem por essas malditas criaturas de metal, os pedreiros teriam algum trabalho e receberiam o suficiente pra gastar no bar, no verdureiro e na peixaria; que faria com que a dona do bar, a moça das verduras e os pescadores tivessem mais dinheiro pra gastar no padeiro, no alfaiate e no ferreiro; e assim, sucessivamente. De modo que o pouco dinheiro pago aos pedreiros passasse pela mão de todos na aldeia, em seguida na mão de todos das aldeias vizinhas, até enfim ser pego por cobradores de impostos e finalmente se perder dentro do cofre de algum nobre.
Apesar da decepção, o ânimo geral foi positivo. Afinal uma igreja nova ainda era melhor que nada. E embora duvidassem das intenções da Baronesa e de suas criações, jamais duvidariam de sua Fé, que alegavam ser a maior entre todo povo comum. Boatos passados de boca em boca diziam até que Ela era capaz de realizar milagres, mas claro que não passavam de boatos.
Entretanto por mais fervorosa que fosse a Baronesa, a ponto de sair da sua confortável mansão no topo do Monte; descer a pé todo o morro; atravessar o rio; subir a colina onde estava a igreja; e fazer o caminho de volta todas as vezes que ia à missa, Ela ainda questionava certas ações do padre. A Baronesa, assim como todos ‘cidadãos de bem’, defendia que os monstros não deveriam ser curados, muito pelo contrário, deveriam ser caçados e mortos pelos crimes que cometeram contra Deus, pois ‘os crimes contra Deus’ eram a única explicação para tem se transformado. Isso se não tiverem matado gado, ou estripado alguém depois que assumiram a sua forma monstruosa.
Após o anúncio ninguém mais assistia o exorcismo e para o padre isso não fazia diferença, na verdade era até melhor. Não gostava de fazer os exorcismos em cima do altar ou em público, se o fazia daquela forma era por dois motivos: O primeiro, era literalmente por pressão popular, porque uma vez o povo quase quebrou a porta dos fundos da igreja enquanto tentavam espiar um ritual. E o segundo, porque aquela era uma boa forma de divulgar seu trabalho e atrair aqueles que precisam de cura. Portanto apenas um exorcismo era feito em público e só no final da missa, se ainda houvesse outros possuídos a serem curados eles seriam atendidos na parte de trás da igreja, quase em segredo.
Só depois que o demônio foi expurgado e finalmente o monstro pode olhar no espelho e ver a pessoa que era, que o padre abandonou o transe e a concentração no trabalho. E não demorou muito a saber da novidade através dos cochichos e conversas que corriam por toda assembléia:
“Onde ficará a nova igreja?”
“Será que vão derrubar essa daqui?”
“Tomara que tenha uma torre do sino!”
“Espero que não seja em cima do morro.”
“Ia ser lindo se fosse em cima do rio!”
Assim que pescou informação o suficiente sobre a construção da nova igreja, foi imediatamente contra. Jamais um único fiel deveria ser responsável pelo dinheiro e construção do templo, porque
“Um templo, assim como a Fé, deve ser uma construção conjunta. Feita pela dedicação e amor das pessoas e não por ganhos materiais ou glória pessoal. O marceneiro deveria trabalhar a madeira que o lenhador cortou e doou, para que os ajudantes usem os pregos que sobraram da construção de suas casas, para pregar juntas as tábuas. Todos trabalhando juntos, sem ninguém cobrar a ninguém, cada um fazendo e doando de acordo com o que pode e tem!”
“É assim que deveria ser construído um templo! E foi assim que foi feita essa capela.”
Esperou a multidão se dispersar e foi conversar com a Baronesa, que por sua vez estava ansiosa para contar os detalhes da obra.
“Eu agradeço sua oferta minha querida, mas um templo assim como a Fé deve ser uma constr...”
“Desculpe senhor padre, porém acredito que alguém mais competente deveria tomar a decisão. Passados mais alguns anos ou uma praga de cupins e esse lugar vem abaixo! Além disso o povo clama por um lugar mais confortável! Já lhe aviso: se o senhor insistir em recusar minha proposta, enviarei a oferta ao bispo.”
“QUE ENVIE ENTÃO! Mas saiba que nunca estarei de acordo com um templo feito tão mundanamente!”
Foi uma discussão acalorada, contudo não foi nem a primeira, nem a mais tensa delas. O padre e a Baronesa tiveram várias discussões em torno da Fé, da organização da aldeia, das leis e de outros vários assuntos. Mantinham ao mesmo tempo um profundo respeito e um certo desafeto um pelo outro, mas nunca rancor.
O padre achava que as ideias da Baronesa eram afastadas demais da comunidade e pouco preocupadas com a benevolência, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. Para a Baronesa, as ideias do padre eram sempre ideológicas demais e pouco práticas, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. E como era a concordância com as palavras de Deus que decidia quais eram as melhores ideias, eles não tinham critério de desempate. Costumeiramente, o padre ganhava as discussões, por ter uma posição mais próxima de Deus, mas as coisas costumavam ser feitas ao modo da Baronesa, por ter uma posição mais próxima do Governador.
No fim, o projeto foi enviado ao bispo que o aceitou imediatamente, formando uma comissão de bispos para abençoar o local da nova igreja e os objetos santos.
A planta da igreja, também incluía uma área no subsolo que seria a nova casa do padre. Ele, até então, morava num pequeno quartinho de teto baixo, na parte de trás da capela, dormia num colchão fino colocado sobre o chão, que fora presente do pescador. O cômodo também possuía ainda um fogão a lenha, montado pelo ferreiro. O banco e a mesinha onde o padre realizava seus estudos, ambos bambos, eram peças defeituosas doadas pelo marceneiro e um pouco mais afastado havia uma fossa com cabine, feitas pelo próprio padre, onde ele fazia suas necessidades.
A Baronesa foi rápida para mostrar serviço, e assim que abençoaram o local as máquinas deram início a construção. Os bispos ficaram encantados com a forma que aquelas criaturinhas de metal trabalhavam, tão encantados que se sentaram num ‘acampamento de obras’, montado pela Baronesa, para assistir a construção. Quando anoiteceu, a casa do padre já tinha o piso e todas as paredes. Logo antes de se retirarem para dormir os bispos perguntaram a Baronesa:
“Suas construções não vão descansar?”
“Ah, senhor bispo, não se preocupe, elas não precisam disso, podem trabalhar por dias seguidos. Inclusive, garanto aos senhores que a igreja estará de pé e decorada antes do dia de missa.”
Os bispos se surpreenderam com a promessa. Uma igreja como aquela demoraria ao menos três meses para ser construída por mãos humanas, se essas fossem mãos de pedreiros experientes talvez dois e meio. Porque a Baronesa falou muito bem delas, os bispos esperavam que as máquinas fizessem em um mês, tanto que a maioria deles tinha planejado ir embora no dia seguinte, menos o bispo responsável pela região que faria a primeira missa e o batismo da igreja. Contudo já que a Baronesa prometeu uma entrega tão rápida, todos resolveram esperar para realizar uma grande missa de batismo.
***
As máquinas trabalharam durante toda a noite. Elas têm a forma que melhor condiz com o seu trabalho. Sim, porque diferente das obras feitas por pedreiros, onde cada um faz um pouco de tudo, as máquinas possuem uma função específica, então necessitam de um corpo específico. Enquanto uma passa o cimento, a outra coloca os tijolos; uma ajuda a secar o cimento e, ao mesmo tempo, outra passa a massa onde o cimento já secou; uma é responsável por ajudar a secar a massa e a outra por pintar onde a massa já secou; algumas ajudam a levantar aquelas que trabalham em andares mais altos; sem falar na batedora de pregos, nas carregadoras, nas colocadoras de móveis e decoração, etc. Tudo isso é perfeitamente sincronizado, para que não se pinte onde a massa está molhada; não se pise onde o piso ainda não assentou; ou para não secar o cimento antes de colocar os tijolos.
Todavia diferente de um relógio, que para funcionar depende de todas suas engrenagens perfeitamente encaixadas, nos lugares e tempos específicos, tais criaturas trabalham de modo tão sincronizado porque se comunicam. Sim, e se comunicam de uma forma parecida, mas ao mesmo tempo muito diferente daquela dos humanos. Sua precisa e avançada ‘fala’ é composta por vários sons de *beep*, e cada máquina tem um *beep* de tom e altura diferentes. Durante a execução de uma tarefa elas ‘falam’ de forma incessante, para alertar umas às outras de suas ações, logo todas precisam conhecer a ‘voz’ uma das outras, a fim de ter uma noção sobre ‘o que ocorre onde’ na execução da tarefa.
Contudo não só na linguagem elas lembram os humanos, elas pensam, tem sentimentos, personalidades, gostam de certas máquinas e desgostam de outras. Apesar de serem fisicamente iguais e pintadas do mesmo jeito, o colocador de tijolos 36579 é alegre e festivo, enquanto o 85479 é introspectivo e silencioso, isso fica evidente em seus movimentos e também no tom e frequência de seus *beeps*. Um humano até poderia perceber isso, se pudesse observá-los atentamente durante dias, no entanto para as máquinas a diferença de personalidade entre eles é gritante. Claro, a personalidade deles pode até fazer com que ajam de forma diferente, mas de modo algum isso afeta seu trabalho, pois apesar de mover o braço um pouco mais e se agitar de vez em quando, o 36579 precisou colocar os tijolos da mesma forma e ao mesmo tempo que o 85479, para que as paredes ficassem prontas juntas.
Um humano provavelmente se sentiria desconfortável de ter que trabalhar de forma tão mecânica, sem poder imprimir sua personalidade, sua ‘marca’ no trabalho. Só que essa é a beleza para as máquinas, elas adoram ser todas diferentes e ainda assim trabalhar de jeito igual. O sincronismo as deixam felizes. Trabalhar para elas não é muito diferente de uma dança, uma dança num mundo onde todos são exímios dançarinos.
E naquele dia participaram de seu grande baile, que se estendeu por toda noite, quando tiveram de cochichar, mantendo seus *beeps* baixinhos para não acordar as pessoas humanas. Com a chegada da manhã seguinte, dançaram novamente sob o dia, cantando *beeps* mais altos, porque os humanos faziam muito barulho. E dançaram, trabalham, cantaram e cochicharam durante os dias que vieram, até que…
***
Na manhã do ‘dia “antes do dia de missa”’ a igreja estava pronta. Era grande, definitivamente maior que a velha capela. Ainda não chegava aos pés de uma catedral, porém tinha os tijolos mais bem colocados, as paredes mais bem niveladas, os únicos bancos posicionados com precisão milimétrica e um altar perfeitamente arrumado, com os todos utensílios alinhados, prontos para o início da missa.
As máquinas, orgulhosas do seu trabalho, se retiraram e aguardaram, ao lado da igreja, o despertar da Baronesa. Dispuseram-se em fileiras organizadas por função e aproveitaram o tempo de espera para conversar. Demoraram apenas 12 segundos para discutir profundamente sobre os mais variados assuntos, a comunicação delas era realmente muito eficaz. Nesse pequeno intervalo de tempo conversaram sobre: como os humanos eram estranhos, como gostaram de finalmente fazer um trabalho fora da mansão, teorizaram sobre os pássaros que cantavam na manhã, flertaram, fizeram novas amizades, planos para os próximos trabalhos, etc. Depois ficaram paradas. As mais afobadas tremiam de levinho, ansiosas para que sua Mestra dessem-lhes mais ordens, afinal gostavam muito de trabalhar.
A aldeia inteira, e boa parte das vizinhas, estava presente para a missa, que foi coordenada sobretudo pelo bispo regional, contando com as participações pontuais e diversas bênçãos dos bispos das outras regiões. Finalmente, depois de anos à frente do altar, o padre podia assistir uma missa como simples fiel e isso trazia-o boas lembranças.
Ao final da missa, e antes de conhecer sua nova casa, o padre perguntou a Baronesa se Ela havia construído um lugar para realizar a cura dos possuídos. Ela disse que não, que havia esquecido, mas os dois sabiam que o ‘esquecimento’ era proposital. Era mais provável que ela tivesse construído um abatedouro do que um lugar de cura.
“Se não construiu não há problema, eu os receberei na minha casa então.”
Em sinal de respeito, a Baronesa presenteou o padre com uma máquina ajudante, que ele só aceitou depois de muita relutância.
“Senhor padre, faça o favor de aceitá-lo, o senhor bem sabe é um tremendo desrespeito cometer a desfeita de rejeitar um presente.”
O ajudante foi instruído por sua Mestra a apresentar a casa ao padre, que levou alguns amigos e o bispo da região consigo. Desceram a escada atrás do altar, que levava à casa. Tudo tinha sido construído e organizado nos padrões mais modernos, o padre, que era um sujeito simples, não gostou da casa de primeira, desconfiava do estranho vaso de porcelana com água dentro, que ficava onde o ajudante disse ser o banheiro. Julgava que aquilo tinha intenções malignas.
Na verdade várias coisas na casa pareciam ‘erradas’, as velas nos candelabros nunca apagavam, a casa estava fresca demais para uma casa no subsolo e havia sempre uma brisa vinda de algum lugar. No final da visita, encontraram várias escotilhas bem discretas, por onde entravam ar e luz. A Baronesa podia não gostar do padre, mas queria que a casa fosse o mais funcional possível. Porém foi só depois de abençoar a casa mais de 15 vezes e finalmente descobrir como funcionava o vaso de porcelana que o padre se livrou de um certo ‘sentimento ruim’.
O ajudante era muito útil. Ele ajudava a preparar a missa, limpava a casa e a igreja, preparava comida e fazia companhia pro padre nas madrugadas. E apesar de achar estranho no começo, o padre foi, aos poucos, se acostumando com a natureza daquele ser flutuante com uma grande lâmpada amarela no meio do rosto. A máquina se auto denominava ‘Ajudante 2047’, tinha uma personalidade extrovertida e adorava falar. Isso incomodava a Baronesa que estava prestes a tirar-lhe o modulador de voz, quando teve a ideia de dá-lo ao padre. Nada poderia tê-lo deixado mais feliz! O padre era quieto e gostava de ouvir as pessoas, então tratava o ajudante com paciência, até quando ele falava demais, o que na opinião do padre não acontecia com tanta frequência, afinal a comunicação dele era estranhamente… eficaz. A maior parte das conversas eram sobre as pessoas. Apesar de nunca falar diretamente com elas, o Ajudante 2047 adorava ver seu comportamento estranho e ficava sempre ansioso para interagir, contudo toda vez que se aproximava de alguém a pessoa se afastava, às vezes com um olhar de repúdio, às vezes com um olhar de medo, mas na maior parte das vezes com uma mistura dos dois. No dia seguinte, o padre teria que encontrar e explicar para a pessoa que o ajudante não faria-lhe nenhum mal. Todavia mesmo com tantas explicações as pessoas ainda evitavam-no, então contentava-se em observá-las.
Agora que não precisava fazer todo trabalho da casa e igreja sozinho, o padre era mais visto do lado de fora, onde ajudava qualquer um que precisasse e não cobrava nada em troca, pedia apenas que comparecessem à missa. Vivendo assim, o padre e o Ajudante ajudaram-se mutuamente e logo isso virou a vida ‘normal’.
Com a reforma a igreja ficou mais famosa e a fila de possuídos cresceu, indo muitas vezes da sala da casa do padre até a entrada da igreja. Ao atender um enfermo, primeiro ele tinha de escutar suas confissões, em seguida concedia-lhes perdão e só depois fazia a oração de expurgo, para livrar-lhes. Alguns viam os sintomas da possessão desaparecem imediatamente, deixando cair qualquer escama, pêlo ou pedaço de pedra que, porventura, vieram a crescer; outros só melhoravam com o passar dos dias, mas seus sintomas iam embora sem deixar qualquer evidência. Os primeiros a serem atendidos eram aqueles que estavam em situação mais grave, ou seja, aqueles prestes a completar a transformação e perder o controle. Destes, alguns eram atendidos antes do final da missa, outros no lugar que estavam assim que fila se formava. Licantropia, glutanismo, petrificação, harpeismo e duplicismo eram os casos mais comuns, mas havia uma infinidade de outras possessões.
Um dia houve uma discussão sobre quem construiria a nova ponte sobre o rio, a Baronesa logo ofereceu suas máquinas, em troca, claro, de uma pequena contribuição da população. Já o povo queria que o marceneiro e o pedreiro fizessem a ponte. O padre, como sempre, tomou o lado do povo, pois sabia que se deixasse a construção nas mãos da Baronesa e suas máquinas o dinheiro jamais sairia dos cofres dela. Quando mandaram o impasse para o Governador, todos temiam que a Baronesa fosse ganhar, então o padre arquitetou um plano: avisou todos na aldeia, de modo que a Baronesa não ficasse sabendo, que seria feita uma missa importante no ‘dia depois do próximo dia de missa’. Durante essa missa ‘escondida’ eles arrecadariam os fundos para a ponte, que deveria ser construída antes que chegasse a ordem do governador. Assim, quando a Baronesa descesse de sua mansão no ‘dia de missa’ a ponte estaria pronta e o dinheiro continuaria entre o povo.
“Sei, senhor bispo, que este não é o plano mais honesto, mas o povo não aguenta mais entregar suas moedas à quem nunca às retorna.”
Confessou o padre, em lágrimas. O bispo apiedou-se do homem e respondeu-lhe que aquela devia ser a vontade de Deus, portanto não haveria castigo.
A Baronesa trabalhava em suas máquinas na varanda da mansão quando viu uma aglomeração na frente da igreja. Era normal que houvesse ‘missas depois do dia de missa’, Ela própria ia às vezes, o estranho era estar tão cheia. Pensou um tempo sobre o assunto, perguntou-se se havia esquecido alguma data especial, até que se lembrou da discussão e conjecturou que aquilo só poderia ser um plano do padre. Com pressa, desceu pela primeira vez o morro com suas roupas de trabalho, tomaria-a muito tempo colocar as roupas chiques, que costumava usar quando descia ao povoado. Andava rápido, porém o caminho era longo e ela só chegaria ao final da missa, mas talvez, a tempo de frustrar os planos do padre.
O padre que havia organizado a missa do lado de fora, exatamente para que pudesse ver o abrir e fechar do portão da mansão, acelerou a missa e conseguiu recolher o dinheiro antes que ela atravessasse o rio. Aflito, disse que não haveriam exorcismos públicos e que aqueles que necessitassem de ajuda deveriam procurá-lo em sua residência.
Neste dia havia um homem, que estava acompanhado de uma enorme criatura envolta num manto negro. O povo sabia que aquilo só podia ser um monstro em estágio final de transformação. A criatura era a esposa do homem e tinha sido possuída por um demônio glutão. Ao ouvir que deveria esperar ainda mais para ser curada, ela perdeu o controle, deixando-se levar pelos pensamentos sombrios que a atormentavam. Ficou furiosa, arrancou a capa que cobria o corpo e o rosto, e respondendo respondendo aos protestos do marido, que implorava para ela colocar o pano de volta , vociferou:
“Estou cansada! Estou com fome!”
O monstro era terrível, gordo, sem pelos ou cabelo, tinha horríveis bolas de pus amarelado, que se espalhavam como furúnculos por todo o corpo. Seu rosto era completamente deformado, a ausência de lábios fazia com que seus dentes e gengiva ficassem totalmente expostos. Porém a pior parte era a carne e pele que faltavam na lateral direita do torço, fazendo com que as costelas ficassem de fora e que fosse possível ver alguns dos órgão internos da criatura, mas o pedaço não parecia ter sido arrancado, não, pelo contrário, estava em formação. A carne borbulhava e parecia crescer muito lentamente, desejando cobrir as vísceras e formar o braço que faltava.
A criatura começou a andar em direção ao altar. As pessoas assistiam a cena paralisadas, em choque, horrorizadas. Ao dar o segundo passo, ela esbarrou no homem do casal à frente. O resultado fez com que o pânico tomasse conta do público, que finalmente disparou a correr em todas as direções. Primeiro, o homem ficou preso, depois seu corpo foi sendo pouco a pouco absorvido pela carne do monstro, e na medida que ia sendo ‘incorporado’ o lado direito do monstro enchia-se de carne, pele e bolhas de pus. A esposa do homem até fez um esforço para salvá-lo, mas ao ver a carne sendo derretida e sugada, vomitou e caiu para trás, para, em seguida, sair se arrastando de costas pro chão, incapaz de desgrudar o olhar do horror que acontecia em sua frente. Por sorte, o monstro a ignorou, seu olhar, faminto e furioso, dirigia-se para o padre, que preparava uma oração desde que este havia tirado o manto. Precisava do exorcismo pronto quando tocasse no monstro, do contrário seria absorvido.
Nesse momento a Baronesa já estava chegando e pode ver tudo com seus próprios olhos, furiosa, ela cerrou os punhos e começou a rezar. A criatura encarou o padre até que o corpo do homem fosse totalmente absorvido, aquela ‘refeição’ tinha sido o suficiente para formar um braço grotesco, mas não para preenchê-lo de carne, sobrara então por todo lado direito do monstro buracos, por onde se via os ossos e partes internas. Isso deu ao padre tempo para terminar o exorcismo. Semi-acabada, a criatura avançou correndo aos tropeções, como as criaturas infernais normalmente fazem, o padre só precisava tocar na criatura e fazer a segunda oração para a salvação das duas almas. O homem absorvido já estava morto, porém sua alma precisaria ser libertada e a possuída, exorcizada. Fazer isso em tão pouco tempo não seria tarefa fácil, mas tinha de tentar.
O monstro já estava perto. O padre sentia o cheiro podre, ouvia as passadas pesadas, os grunhidos inumanos, mas manteve os olhos fechados e o coração sem medo. Calculou a posição do monstro e no momento certo esticou o braço. Ouviu um grito, mas não sentiu o toque. Abriu os olhos. Sua mão estava a centímetros da criatura.
Algo estranho havia acontecido. A Baronesa tocava o monstro pelo lado, que congelado como uma estátua, tinha uma expressão de terror e tristeza nos olhos, um terror que só um possuído poderia sentir. O terror de ter seu corpo mudando a composição de carne, ossos e órgãos para cinzas, o que causava uma dor alucinante, o terror de ter sua alma sendo desmembrada, estraçalhada e destruída, o terror de saber que não vai nem para o céu ou para o inferno e sim para o vazio da inexistência, o terror de sentir tudo isso e não poder gritar.
Do lugar onde a Baronesa tocou, espalhou-se uma cor cinza por todo corpo do monstro, com uma textura que não lembrava pedra, mas, sim, pó acumulado. O padre teve tempo de ver o efeito tomando o corpo da criatura, que apesar dos pecados e da morte, possuía ainda um resquício de humanidade e tinha salvação. Também teve tempo de reparar em uma lágrima, que escorria do olho ainda não transformado em cinza da possuída. Quando foi finalmente inteira afetada pelo toque, ela se desfez e suas cinzas levadas pelo vento. A alma das duas pessoas, assim como a do demônio haviam sido completamente destruídas. O padre sabia que aquilo não era um exorcismo, era uma outra coisa, mais antiga, mais cruel, mais perigosa…
“Ela... ela lançou um sortilégio?”
Foi o que pensou, enquanto encarava a Baronesa, que estava pingando suor, cansada, ofegante, suja de terra e graxa. Ela olhou em seus olhos, mas não disse nada, apenas se virou voltando para a mansão.
Durante a noite, máquinas de limpeza desceram, para limpar o que sobrou das cinzas.
submitted by carretinha to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.10.21 20:01 altovaliriano Pergunta de BryndenBFish e NPR de novo (out/2019) e Entrevista a OMNI (nov/1996)

Mais recente: Chicago Humanities Festival (11 out 2019)
Link no arquivo: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/16170
O SSM consiste em um vídeo de 5 minutos carregado no youtube em que Martin responde à pergunta selecionada no twitter pela entrevistadora Eve L. Elewig. "Coincidentemente", foi a elaborada por Jeff Hartline (mais conhecido como BryndenBFish). Que marmelada...
Brincadeiras à parte, a pergunta foi "Ele acredita que Robert, Ned e Jon Arryn estavam certos em se rebelar contra Aerys? Ou ele teria permanecido leal a Aerys e os Targaryens?". Martin se desviou da pergunta e enrolou. Veja no vídeo.
--------------------------------
Mais recente (2): Entrevista à NPR Chicago (19 out 2019)
Link no arquivo: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/16176
Na verdade, este artigo foi uma compilação da entrevista de Martin à WGN Radio e do bate-papo ocorrido na Chicago Public Library Foundation (CPLF), ambos já relatados aqui (vide aqui e aqui)
--------------------------------
Mais antigo: Transcrição de uma entrevista à OMNI Magazine (21-22 nov 1996)
Link no arquivo: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/1425
A entrevista parece ter sido feita no formato de chat da internet, como vários códigos de hora, data e IPs. Eu suprimi tudo isso, deixando apenas nickname e mensagem, em ordem cronológica (a entrevista começou no dia 21 e terminou no dia 22). A tradução segue abaixo:
-
Ed_Bryant_Mod : Boa noite, Sr. e Sra. América, e todos as naves no espaço! Esta é outra edição do Omni Visions Prime Time com Ed Bryant. Meu convidado esta noite é aquele escritor estelar de ficção científica, fantasia, romances, contos, filmes e TV, George RR Martin. Boa noite, George!
GeoRR : Para constar, deixe-me dizer que nunca trabalhei em ST:TNG [Star Trek: The New Generation], apesar do crédito que Ellen me deu quando ela estava divulgando isso. Portanto, sem perguntas sobre Data, por favor. Com Vincent eu posso lidar... bem, tanto quanto qualquer pessoa pode lidar com Vincent.
GeoRR : Perdemos contato com Ed?
Ellendat : Enquanto Ed tenta voltar para nós, eu gostaria de me desculpar com George por me enganar quanto a sua participação no ST:TNG.
GeoRR : Acho que Ed caiu de vez. Ele me avisou que isso poderia acontecer.
Ed_Bryant_Mod : Opa, desculpe pessoal! Minha introdução fantástica para George desapareceu repentinamente e eu fui interrompido por uma mensagem de "erro no servidor". Eu estou de volta, então eu vou aumenta-la (mais).
ellendat : Eu sei que posso falar por muitos de seus leitores (e provavelmente membros da platéia aqui) que é bom você voltou a escrever ficção em prosa depois de vários anos concentrando-se em TV.
GeoRR : Há dias em que estou muito satisfeito por estar "de volta" (embora nunca tenha realmente ido embora, sabe - durante todos os meus anos em Hollywood, escrevi e editei WILD CARDS). Há outros dias em que sinto falta da TV. Certamente sinto falta dos grandes carrinhos de mão de dinheiro que costumavam rolar no meu escritório.
Ed_Bryant_Mod : Para aqueles que possam ser novos na SF [Ficção Científica], George Richard Raymond Martin começou a publicar profissionalmente em 1971, com uma curta história para GALAXY. Seus livros subsequentes incluem A MORTE DA LUZ, TUF VOYAGING, SONHO FEBRIL, ARMAGEDDON RAG, a série WILD CARDS (como participante e editor), SANTUÁRIO DOS VENTOS (com Lisa Tuttle) e, entre muitas outras coisas, A GUERRA DOS TRONOS, o primeiro volume enorme em uma série de fantasia épica maciça. *ufa* Além disso, ele passou uma estada em Hollywood trabalhando com A BELA E A FERA e a renascida ALÉM DA IMAGINAÇÃO. Então, George. Quando você dorme e quanto tempo antes de terminar a série de fantasia?
GeoRR : Eu pretendo dormir entre o terceiro e o quarto volumes, ed. Eu dormia um pouco entre o segundo e o terceiro, mas agora é a hora de escrever um roteiro de SONHO FEBRIL que devo à Hollywood Pictures. Hollywood Pictures não existe mais, com certeza, mas eu ainda devo o roteiro. Se eu permanecer dentro do cronograma, devo terminar AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO até o final de 1998, mas não prenda a respiração. Esses livros têm três vezes o tamanho de romances comuns, até grandes romances como SONHO FEBRIL, e estou aprendendo da maneira mais difícil quanto tempo leva para escrever um.
Ed_Bryant_Mod : Talvez você seja um viciado em adrenalina, George. Sobre a série de fantasia: Por quê? (sendo franco). Esta não é fantasia como avô, com certeza. É difícil, mas romântico. O que o intrigou em embarcar em um projeto tão grande?
GeoRR : Pudera eu saber. Na verdade, comecei o livro no verão de 1991. Eu estava entre os projetos de Hollywood, então decidi começar um novo romance, ver até onde chegava. O romance que comecei era um livro de SF chamado AVALON, ambientado na mesma "história futura" de DYING OF THE LIGHT e de muitos de meus contos. Na verdade, eu escrevi três capítulos. Mas então um dia o capítulo inicial de A GAME OF THRONES me veio tão vividamente que eu tive que escrevê-lo. Não é o prólogo, lembre-se, mas os primeiros capítulos, onde Bran vê o homem decapitado e encontra os lobos gigantes na neve. A próxima coisa que eu sabia era que AVALON havia sido colocado em uma gaveta e a fantasia tomara conta de mim completamente. Eu sabia que estava perdido quando comecei a desenhar mapas. Porém, é claro, DOORWAYS foi selecionado e fui convocado de volta a Hollywood, mas o livro nunca esteve longe de meus pensamentos.
Ed_Bryant_Mod : Intrigante... voltando um pouco. Quando você era mais jovem, antes de começar a escrever, qual o papel da fantasia em sua vida? O que você leu? Você jogou jogos com dragão e lobo gigante? E onde o seu gosto nesse sentido se desenvolveu como leitor e escritor adulto?
GeoRR : Acho que estou tendo alguns problemas aqui. O sistema comeu minha resposta.
Visitante (Gdozois) : Ellen, Gardner Dozois aqui. Quando George e Ed voltarem, pergunte se ele tem planos de publicar Turtle Castle um dia desses.
ellendat : Gardner, sua pergunta está aqui para que todos vejam :) shhh.
GeoRR : Estou de volta, acho. Eu desloguei e voltei. Todo o sistema parou aqui e nenhum dos comandos parecia funcionar.
GeoRR : Deixe-me tentar essa resposta novamente. Quando criança, eu lia principalmente SF e quadrinhos... não =havia= nenhuma fantasia sendo publicada naquela época. Eu descobri JRR Tolkien no colégio, quando Ace publicou sem autorização o Senhor dos Anéis. Fiquei Maravilhado. Também li Robert E. Howard, provavelmente antes de Tolkien. Conan era divertido, mas a Terra Média era mágica e maravilhosa. O =lugar= era tão importante quanto o enredo ou os personagens, acredito. É assim em toda grande fantasia. Estou tentando tornar meu mundo, meus sete reinos, tão vividamente real quanto JRR fez com o dele.
GeoRR : Olá, Gargy. Ninguém liga para TURTLE CASTLE.
Visitante (Gdozois) : Eu imagino isso como uma obra-prima perdida que será descoberta após sua morte e o catapultará para a fama mundial.
Visitante (169.197.15.29) : E quanto a Burroughs e Wells?
GeoRR : Eu tentei um Edgar Rice Burroughs. Um dos livros "Moon", eu acho. Eu devia estar velho demais, porque odiei e nunca tentei outra até Melinda Snodgrass e eu sermos contratados para fazer o roteiro de A PRINCESA DE MARTE. Eu li HG Wells, é claro. A MÁQUINA DO TEMPO em particular foi == e é == um dos meus favoritos.
Ed_Bryant_mod : George, junto com a fantasia, você parece ter muitos interesses em escrever. Nos interstícios entre mega-fantasias e trabalhos de Hollywood, alguma esperança de mais SF ou horror? Há aqueles de nós que se lembram de SONHO FEBRIL e ARMAGEDDON RAG com carinho indisfarçável.
Visitante (169.197.15.29) : Acho que eu tinha 10 ou 12 anos quando peguei Burroughs. É o que me fez começar, eu acho.
GeoRR : Oh, definitivamente farei outras coisas eventualmente, se a fantasia terminar. Tenho anotações para duas sequências de SONHO FEBRIL, tenho duzentas páginas do romance de Jack, o Estripador, que comecei em 1985 e nunca consegui vender, e quero fazer um livro com um dos meus pilotos de televisão não filmados. Aquele lá é pura SF.
Visitante (Gdozois) : Aproveitando que você o está importunando, Ed. Eu gostaria que ele escrevesse algumas novas histórias de ficção científica. --Gardner
ellendat : Sim. Eu também.
GeoRR : Na verdade, Gargy, é por isso que eu estava ligando para você no outro dia. Eu tinha essa noção ... bem, é muito complicado falar disso aqui, e não devemos falar disso em público de qualquer maneira, mas é uma ideia que eu gostaria de explorar com você quando você tiver meia hora ou mais .
Ed_Bryant_mod : A menção da PRINCESA DE MARTE me obriga a perguntar... Além das cargas de dinheiro em carrinhos de mão, qual é o apelo em Hollywood ? Você viu sua história "Reis da Areia" se tornar o piloto da renascida A QUINTA DIMENSÃO - Melinda Snodgrass (a escritora) e os produtores / diretores / atores visualizaram sua história de uma maneira que você a reconheceria?
Visitante (Gdozois) : Você sabe como se apossar de mim, George. Qualquer hora. --Gardner
GeoRR : Além disso, há esta novela chamada "Shadow Twin" na qual um certo Sr. Dozois e eu estávamos colaborando. Ellen, quer comprar uma novela Dozois / Martin?
Visitante (Gdozois) : Talvez possamos mesclar SHADOW TWIN com TURTLE CASTLE. --Gardner
ellendat : Estou certamente interessada. Está terminada?
Visitante (169.197.15.29) : Escritor iniciante fica [mais] verde.
GeoRR : Hollywood ... bem, essa é uma resposta complicada. Você realmente precisa subdividir Hollywood em duas arenas separadas, TV e Cinema. Eu trabalhei em ambos. TV foi muito emocionante, estressante, mas gratificante. Trabalhei em alguns bons shows, escrevi roteiros dos quais me orgulhava, os vi filmados, subi de um humilde redator para um exaltado produtor supervisor e quase consegui meu próprio show. Eu odiava morar em Los Angeles, mas gostava muito de trabalhar na TV.
Filme, por outro lado, cheguei ao ódio. O escritor é rei na TV; no filme, o escritor é uma merda. Passei três ou quatro anos da minha vida fazendo roteiros, vários deles com Melinda, e não tenho um punhado de filme para mostrar. De fato, ninguém nunca viu os roteiros, exceto alguns executivos de desenvolvimento. Adoro ir ao cinema, mas se tiver sorte, nunca mais precisarei "desenvolver" um filme.
Ed_Bryant_mod : Com algo parecido com o seu próprio show ... DOORWAYS. Esse era um conceito adorável e sofisticado de SF com boa reflexão sobre transitar em um mundo paralelo. Que tipo de forças foram necessárias para matá-lo?
GeoRR : Nunca terminei, Ellen ... mas um dia desses. Primeiro, preciso digitalizá-lo e colocá-lo em um disco. As páginas que temos (um bocado bastante grande) foram realmente escritas em uma = máquina de escrever =. Lembra-se delas? Eu tive uma máquina de escrever elétrica, já Gardner...
Visitante (169.197.15.29) : Eu pensei que ele se transformou (sem a sua influência) em Sliders. (não é um show muito bom, por acaso) -- David Felts
GeoRR : O que matou DOORWAYS foi principalmente foi uma sincronia ruim. Em agosto de 1992, quando exibimos o piloto para a emissora pela primeira vez, a ABC estava salivando para encomendá-la e, de fato, encomendou seis scripts de backup, um número muito alto. Mas estávamos muito atrasados ​​para a temporada do outono de 1992, então tivemos que esperar até maio do próximo ano. Entre agosto e maio, os dois maiores campeões da rede, os executivos que haviam trabalhado no programa conosco, partiram para outros empregos. Seus sucessores nos consideravam algo que restava do antigo regime. Quando chegou a hora da crise, a ABC decidiu que eles queriam apenas um único novo programa de SF em sua programação e seguiram com LOIS & CLARK, que havia sido desenvolvido pelo regime seguinte. E para quem não sabe o que foi o DOORWAYS ... bem, foi SLIDERS. Só que bom.
Visitante (Gdozois) : George, vamos sair agora. Tenha uma boa entrevista e diga Olá para Parris por nós. Boa noite Ellen, Ed e os demais. --Gardner
Ed_Bryant_mod : Uma pergunta em outra área. WILD CARDS, aquela longa série de livros de Bantam e Baen sobre supercaras e supermocinhas, vivos e às vezes bem, em um mundo que eles realmente criaram - alguma chance de continuar de alguma forma? Ainda parece haver público.
GeoRR : Gostaria muito de continuar com WILD CARDS, mas agora há muitas outras coisas no meu cardápio. Além disso, não temos um editor. Em retrospecto, mudar para a Baen foi um grande erro. Eles nos pagaram mais dinheiro, mas não venderam os livros com a mesma eficácia que a Bantam e depois nos culparam pelas vendas fracas. Suspeito que os WILD CARDS retornarão eventualmente, de alguma forma, embora possa haver um hiato de alguns anos. Alguns dos escritores estão fazendo barulho sobre como fazer histórias independentes sobre seus personagens e vendê-los para as revistas. Se algum dia eu encontrar tempo, provavelmente eu mesmo farei algumas histórias de Tartaruga e Popinjay.
Ed_Bryant_mod : Falando em WILD CARDS, apenas no caso de um de nossos sistemas travar novamente, eu queria fazer uma pergunta que assombra a maioria de nós, escritores. À medida que os livros esgotam com grande velocidade, eles se tornam o desespero do leitor lento demais para pegá-los durante as oito horas em que estavam à venda... Você é um dos escritores ativistas que se esforçou para manter seus livros disponíveis com seus próprios esforços. Isso está funcionando? E como os leitores podem aproveitar o seu serviço nessa área?
GeoRR : Sim, eu realmente mantenho estoques de meus livros esgotados e sobressalentes, tanto de capa dura quanto de brochura. De WILD CARDS, tenho volumes 1,2,6,7,9 e 11. Também tenho livros de bolso britânicos de REIS DA AREIA e TUF VOYAGING, a adorável edição limitada numerada e assinada do ARAMGEDDON RAG com slipcase e as primeiras edições do SONHO FEBRIL, SANTUÁRIO DOS VENTOS E RETRATOS DE SEUS FILHOS. Qualquer pessoa que queira alguma dessas informações pode me enviar um e-mail para [[email protected]](mailto:[email protected]) ou [[email protected]](mailto:[email protected]). Os preços são muito razoáveis ​​e os autógrafos são gratuitos. Você não apenas receberá um livro lindo e assinado, como também ajudará a apoiar meu mania com soldados de brinquedo. Desde que comecei a fantasia, fiquei viciado em colecionar cavaleiros em miniatura.
Ed_Bryant_mod : Ótimo. Lembrarei às pessoas que livros assinados e personalizados são ótimos presentes de fim de ano. Voltando a WILD CARDS momentaneamente. Uma enorme quantidade de material foi publicada ao longo de alguns anos de trabalho duro e febril. O que você acha que foi o maior apelo?
GeoRR : Bem, tivemos alguns escritores muito bons e algumas histórias fantásticas, mas acho que foi mais do que isso. O que notei no WILD CARDS foi o intenso interesse que os leitores desenvolveram nos personagens. Eles não eram apenas fãs do Wild Cards, eram fãs do Turtle, ou do Tachyon, ou do Fortunato. Cada leitor tinha personagens que amava e outros que odiava com a mesma paixão, e eles queriam acompanhar suas vidas. Eu sustento que é a mesma coisa que faz as pessoas acompanharem novelas de TV.
Marilee : George, eu sempre leio todas as histórias em Asimov, até mesmo as fantasias, mas frequentemente não estou interessado em comprar um livro relacionado a uma história de fantasia. Eu li "Blood of the Dragon" na edição de julho e imediatamente encomendei A GUERRA DOS TRONOS (que está abrindo caminho ao topo da pilha de leitura). O que fez você decidir escrever uma fantasia agora?
GeoRR : Marilee, eu respondi sobre esse assunto, talvez antes de você entrar. Não sei se há como retroceder, mas ... resumidamente, o livro não me deu escolha. Eu estava trabalhando em um romance completamente diferente, mas A GUERRA DOS TRONOS acabou de me tomar. Estou feliz que você tenha gostado de "Blood of the Dragon". Eu estava trabalhando em um capítulo de Daenerys hoje, por incrível que pareça.
Estranhamente, acho que nunca poderia ter escrito A GUERRA DOS TRONOS, a menos que eu tivesse feito WILD CARDS primeiro. O grande elenco de personagens de GOT é muito diferente dos meus romances anteriores, que se concentram muito em um único protagonista (A MORTE DA LUZ, SANTUÁRIO DOS VENTOS, ARMAGEDDON RAG) ou no máximo dois (SONHO FEBRIL). WILD CARDS, por outro lado, é =repleta= de personagens, e editar esses livros, especialmente os romances-mosaico, me deu muita prática no malabarismo com vários pontos de vista. Estruturalmente, A GUERRA DOS TRONOS é um romance-mosaico de WILD CARDS, só que comigo escrevendo todas as partes.
Ed_Bryant_mod : George, agora que você é um veterano em Hollywood, você acha que algumas das mesmas forças estão começando a deformar a publicação impressa também? Os novos autores com romances não seriados estão perdidos? E a publicação na web? Sinta-se à vontade para abordar qualquer um desses...
GeoRR : Uma pergunta deprimente, e uma resposta ainda mais deprimente ... mas sim, devo dizer, acho que as publicações estão sendo Hollywoodizada e tenho muita empatia por novos escritores que tentam entrar no ramo. Acho que ainda é será possível fazer um bom trabalho, mas muito menos possível ganhar a vida com isso. Quem ganhará a vida com isso serão as pessoas trabalhando em franquias e atendendo a gostos já estabelecidos, como [Star] Trek e Star Wars. É uma imagem sombria para alguém que realmente quer ser escritor em tempo integral. Por outro lado, antes de 1970 havia pouquíssimos escritores de SF em tempo integral, então talvez estejamos voltando ao que havia na Era de Ouro.
Ed_Bryant_mod : Deprimente, de fato. E o admirável mundo novo da publicação on-line? Alguma área brilhante que você possa enxergar?
GeoRR : Ainda não estou convencido de que a publicação on-line possa funcionar. Quero dizer, não vejo como alguém faria dinheiro com isso. Além disso, devo admitir, adoro livros, a sensação deles, a aparência deles, a conveniência. Leio-os na banheira, na cama e sentado ao ar livre. Não posso fazer isso com um leitor on-line, e também não gosto de imprimir romances e ter que lutar com pilhas de papel pesadas.
Marilee : Li todas as novelas OMNI no meu HP200LX - um computador de bolso que é mais leve e menor que a maioria dos livros, e pode ser segurado como um. Eu os li em consultórios médicos, restaurantes ou em qualquer lugar que eu tivesse que esperar. Ainda assim, ele seria muito caro se fosse apenas para ler livros.
Visitante (206.113.120.25) : Quais são suas próximas aparições na Whimpy Zone? --Keith
GeoRR : Não há muitas viagens nos meus planos atuais. Eu fiz uma turnê de quinze cidades pelo A GUERRA DOS TRONOS em setembro e outubro, além de Worldcon, Archon e World Fantasy Con, então agora estou feliz por estar em casa. Estarei em Archon novamente em outubro próximo e, claro, na worldcon em San Antonio, e em fevereiro vou a Nova Orleans para o Mardi Gras. Além disso, eu não sei. Eu posso ir ao Neulas [Nebula] em Kansas City.
Marilee : O que você fará com os cavaleiros de brinquedo quando os adquirir? Eu tenho muitos spaceguys de Lego, mas eles geralmente ficam na prateleira e são reorganizados de vez em quando.
Ed_Bryant_mod : Hmm, George. Talvez você possa se tornar um fazedor de pacotes e iniciar linhas de romances que exploram o mundo dos ônibus espaciais e cavaleiros de brinquedos Lego. Publique-os como Ron Goulart costumava escrever quando estava na publicidade... na parte de trás dos pacotes...
Talvez uma ou duas perguntas finais à medida que o tempo diminui. Onde você se vê como escritor em dez ou vinte anos, George? Ainda fazendo o mesmo reconhecidamente amplo leque de ficção? Ou há novas fronteiras que você deseja encarar?
GeoRR : Quanto aos cavaleiros, sim, eu os coloco nas prateleiras, arrumo os dioramas, os reorganizo e compro vitrines cada vez maiores e mais caras. Porém, eu não lido com Lego. Tenho Britain, Pings, Timpos, Banners Forward, Arsenyevs, Hornungs, Tiffany Soldiers, Staddens, Wyvern Standards, Traditions e uma dúzia de outros fabricantes, e também compro as remodelagens baratas de plástico e as pinto. Essas não são miniaturas de jogos, entenda. Estes são do tamanho tradicional de soldado de brinquedo, de 54 a 70 mm. As miniaturas de jogos são de 15 ou 25 mm, pequenas em comparação. Minha grande fantasia é encontrar o veio-principal da Courtenays sendo vendido em um mercado de rua por três dólares cada. Sorriso.
Ed, para dizer a verdade, não sei ao certo o que vou escrever daqui a cinco anos, muito menos vinte. Livros, TV, contos... Eu gostaria de fazer de tudo, mas nunca há tempo suficiente. Especialmente porque tenho o vago desejo de tentar ter uma vida também. Na verdade, não me saí tão bem nessa última parte; às vezes, olho para trás sombriamente ao longo de todos os anos passados ​​sentados em frente aos vários tipos de teclado, escrevendo sobre paixão, aventuras e maravilhas, quando o que realmente quero é =vivenciar= alguma delas. Mas talvez essa seja a maldição de todos os escritores. A maioria das biografias de escritores é mortalmente monótona, exceto para outros escritores - páginas e páginas de "E então ele escreveu". Ah, ok.
O que eu desejo para você, George, é que talvez você possa dividir seu tempo entre o teclado e o mundo. Nunca é tarde demais para ter uma aventura genuína. Então, boa sorte. E não leve nenhum soldados de brinquedo de madeira. Muito obrigado por participar do Omni Visions Prime Time hoje à noite. E para o resto de vocês, obrigado por participar. Boa noite a todos.
Marilee : Obrigado por aparecer, George!
GeoRR : Feliz de ter vindo aqui. Ed, Ellen, obrigado por me convidar. Depois que resolvemos os problemas, foi divertido.
GeoRR : Boa noite, Pessoal.
ellendat : Boa noite, George, e obrigado por ter vindo.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.08.27 21:22 Lacinho O dia que tentei chantagear alguém

Contexto: Sempre fui um cara muito tranquilo, estudioso, não brigava na escola e sempre tive notas boas. Não sou muito de sair de casa, muito menos balada e coisas do tipo. Enfim, o que quero dizer é, sempre fui muito tranquilo e até BEM certinhos no sentido puritano das coisas.
Na época do ensino médio, com uns 16 anos, arrumei a minha primeira namorada, e as coisas não deram certos por N motivos, sempre fui muito tardio pra esse tipo de coisa, mas sempre gostei muito de porno, quando comecei a transar, sempre gravei as minhas transas, com permissão da garota ou não, e essa minha primeira namorada foi esse caso. Chamarei ela de Maria, quando começamos a ter relações, eu sempre gravava com o celular, ou vídeo game (3DS), e ela tinha uma tara bem esquisita de fazer essas coisas em público eu com 17 anos e ela com a mesma idade), comecei a sentir bem com aquele perigo de ser flagrado a qualquer momento. Certa vez saímos do colégio e fomos pra uma rua meio deserta ou nos pegávamos e coisas mais num bar fechado. Ela começou a fazer sexo oral em mim e eu logo comecei a filar sem ela perceber. Quando terminamos coloquei esses arquivos na nuvem, sabe aquele e-mail antigo que você criou a muitos anos e até esqueceu que tinha? Foi num desses que upei os videos que tinha dela. E como terminamos, segui com a vida.
Passou uns 4 anos, e eu já nem lembrava mais da Maria, estava na faculdade, preocupado demais em manter as nota alta pra não perder a bolsa, tinha uma namorada que era uma garota maravilhosa e espetacular na cama, enfim, estava tudo tranquilo na minha vida. Numa dessas coisas de limpar o lixo digital, comecei a entrar em emails e dropboxs antigos pra baixar o que tinha lá e excluir a conta, esperando apenas ver algumas fotos engraçadas do tempo do ensino médio. E fiz isso em todos, e claro "quase que sem querer", achei os videos da Maria transando comigo e tals. Vídeo deu tratando ela muito mal, dando tapa na cara, cuspindo e coisas do tipo, eu era bem escroto quando adolescente, só por que tinha uma inteligencia acima da média, me achava superior a todos, e me sentia no "direito" de tratar ela como uma puta. Quando achei o vídeo, simplesmente pensei, "nossa, não vejo a Maria a anos, vou apagar essa merda", e logo depois, sem absolutamente nenhum motivo, pensei "nossa, até que ela era gostosinha, e se eu chantagear ela pra comer ela mais uma vez?"
Gente, nunca fui um cara desse tipo, esse tipo de coisas nunca me passou pela cabeça antes, minha vida estava completamente normal, e do nada eu já estava querendo cometer um crime por uma foda, e eu lembro que ela nem transava bem (como quase toda garota de 17 que acha que transa como ninguém com sua boceta de ouro). E assim começou o meu plano de chantagear ela, achei ela no Facebook, usei umas mensagens "prontas" dizendo que se ela não fosse até o lugar X me dar, eu ia divulgar o vídeo e besteiras do tipo. Ela apenas aceitou e perguntou data e local, informei um, perto de casa e eu imbecil fui achando que nada podia dar errado.
Assim que encontrei a Maria ela me deu um abraço, nos encontramos na rua, em um lugar bem publico. E quando ia levar ela pra "base", ela me segurou e gritou que eu queria estuprar ela, do nada, 3 caras se juntaram em mim e começaram a me espancar (era o namorado dela e 2 amigos dele), apanhei bem feio, veio a polícia, eles forjaram uma história que eu tinha batido nos 3 (nunca nem tinha visto eles), e um confirmou a história do outro. Enfim, deu uma merda federal.
Conselho: Caras, não importa se sua vida está chata, ou normal demais. Fica na sua. Deixa essa programação de querer meter em qualquer buraco de lado, não faça coisas erradas, se quer tanto comer alguém, vai num puteiro e seja feliz. Com isso que aconteceu comigo, concordo muito com aquele ditado "A ocasião faz o ladrão", fazer esse tipo de coisas, nunca me passou pela cabeça, mas assim que tive a oportunidade fiz sem pensar, IMAGINO que seja esse tipo de coisas que as feminazis falam que todos homem é um estuprador em potencial, por que na roda de amigos, você nunca falaria que faria isso, mas quando você estiver levado uma amiga pra casa e ela estiver bêbada demais pra fazer algo, e você tiver certeza que não será pego, provavelmente faremos.

Enfim, é isso, não escrevo bem e nem sei como formatar isso direito, mas vou aprendendo com o tempo. Lembrem-se, não julguem ninguém, estamos na internet e todos tem opinião de merda, a única pessoa que se fudeu nesse história fui eu (ainda bem).
submitted by Lacinho to arrependimentos [link] [comments]


2019.05.14 14:59 davider55 Vazou o roteiro da próxima temporada de Casa do Baralho

NOVA TEORIA DA CONSPIRAÇÃO! ISSO É UMA OBRA DE FICÇÃO!
Já pensou se tudo que a gente sabe sobre o dia da facada estiver errado? Não, não estou falando que a facada foi mentira. A facada aconteceu e você não faz ideia de quem pode ter sido o responsável.
Adélio, que era de Montes Claros, passou a viajar pelo Brasil no ano de 2018. Coincidentemente, um ano eleitoral. Chegou a trabalhar em dois estabelecimentos em Curitiba. Tinha um ar bem perturbado nas redes sociais. Aparentava de fato ser desequilibrado. A história começa de fato em 05 de julho, data em que Adélio desembarca em Santa Catarina. Nesse dia, ele fez uma hora de tiro no Clube .38, em São José. A aula custa R$600, um valor alto para uma pessoa desempregada. https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2018/09/07/suspeito-de-agredir-bolsonaro-esteve-em-clube-de-tiro-na-grande-florianopolis-e-morou-em-sc.ghtml
A imprensa noticiou que esse clube de tiro era frequentado pelos filhos de Bolsonaro. Eduardo, por exemplo, esteve lá em 18 de maio. O que a imprensa não noticiou é que Adélio ficou em Santa Catarina até 20 de Agosto, e de lá foi para Juiz de Fora.
Agora a história começa a ficar interessante: sabe quem desembarcou para um final de semana inteiro no Clube .38 logo depois de Adélio passar por lá? Carlos Bolsonaro. Ele chegou no clube no dia 07 de julho. E continuou lá no dia 08 de julho. Não contente, permaneceu no clube no dia 09.
Aqui começa a teoria de fato. Ninguém fica 24 horas dentro de um clube de tiro. Nesses dias, Carlos e Adélio estiveram nos mesmos espaços, possivelmente compartilhando de armas similares e montando um plano. Sim, é esse plano mesmo que você pensou.
O crime seria perfeito. Adélio, isolado por 45 dias em uma casa alugada de Santa Catarina, poderia planejar tudo. Prova disso é que ele estava em uma manifestação contra Michel Temer em 02 de Agosto, em Florianópolis https://g1.globo.com/google/amp/sc/santa-catarina/noticia/marcha-de-mulheres-em-florianopolis-tem-protesto-contra-o-governo-temer-nesta-quarta.ghtml?__twitter_impression=true.
Naquele fim de semana Carlos daria as diretrizes, e eles decidiriam, por exemplo, que Adélio usaria uma faca, e não uma arma. Adélio jamais conseguiria chegar com uma arma perto de Bolsonaro durante um compromisso de campanha, com o candidato sendo protegido pela PF.
Além disso, teriam decidido por data e local: Juiz de Fora, 06 de setembro de 2018. Adélio seria o álibi perfeito para Carlos. Indicado por um amigo de Carlos que hoje está no exterior, após ter trabalhado em um sushibar de Curitiba. https://br.blastingnews.com/brasil/2018/09/segundo-inquerito-da-policia-federal-adelio-bispo-tinha-experiencia-com-manejo-de-facas-002725655.amp.html?
Esse amigo não sabia para que Carlos precisava de alguém assim. Mas poderia ter dito que tinha um ex funcionário que chegou a militar pelo PSOL e depois passou a seguir a cartilha conservadora, com o adicional de ter passado por conversão religiosa e se vender como missionário.
Era o nome perfeito para jogar qualquer coisa nas costas da esquerda. Outra evidência de que tudo pode ter sido combinado desde julho é que em julho Carlos Bolsonaro se recusou concorrer a deputado pelo PSL.
Seria uma vitória fácil, com recorde de votação. Mas Carlos Bolsonaro já planejava, àquela época, assumir a vaga do pai. Para isso, teria se acertado com Adélio. Sim, o plano de Carlos Bolsonaro era ser presidente do Brasil. O roteiro seria absolutamente perfeito:
• Jair Bolsonaro levaria uma facada na véspera da data patriótica por excelência e morreria no hospital.
• Carlos Bolsonaro anunciaria, aos prantos, a morte do pai. O Brasil se comoveria nos dias posteriores.
• Carlos, no processo de velório e enterro, se levantaria como o “único nome disponível”. Nem os irmãos entenderam por que Carlos desistiu de concorrer à deputado federal, e até a eleição Bolsonaro se ressentia de não ter um grande puxador de votos no Rio de Janeiro.
Aí entra outro fato: Carlos Bolsonaro nunca acompanhava as viagens do pai, mas na de Juiz de Fora acompanhou. Mais do que isso: a viagem de Juiz de Fora a foi a ÚNICA em que Bolsonaro passou pelo meio do público.
Bolsonaro estava se precavendo e falando em palcos separados, como aconteceu no Acre uma semana antes. Por influência dos militares da campanha, espacialmente o General Heleno, Bolsonaro passou a tomar mais precauções.
Menos em Juiz de Fora, onde Carlos estava junto e pode ter convencido o pai a ser carregado pelo meio da multidão, coisa que ele fazia habitualmente antes da campanha.
O próprio Carlos faz questão de falar que estava com o pai lá. Agora, vamos para o dia da facada. Adélio tinha alugado uma casa em Juiz de Fora, estava tudo certo lá. O plano era perfeito: Carlos convenceria o pai a andar pela multidão, e Adélio seria colocado perto de Bolsonaro por Carlos.
Há indícios disso nesse vídeo, gravado logo antes da facada. Carlos teria trazido Adélio para o ultimo pelotão de proteção a Bolsonaro e dado as instruções: “pede pra ir cumprimentar ele”. Ao pedir pela primeira vez, o segurança falou “agora não dá”.
Depois Adélio chegou mais perto e esfaqueou Bolsonaro. Reparem que a facada não saiu do jeito que Adélio queria. Assim que esfaqueou Bolsonaro, Adélio se desequilibrou. Da maneira como a faca entrou, a intenção não era só esfaquear Bolsonaro: era rasgar a barriga do presidente.
Se Adélio fizesse isso, Bolsonaro não teria chance. Mas o desequilíbrio impediu o segundo movimento e ainda proporcionou aquela cena em que a faca aparece de pé, sem sangue, logo após o atentado (o que é normal, facada é que nem corte na mão, começa a sangrar um pouco depois).
Vídeo aqui: https://youtube.com/watch?v=oXHMXKOWI9U
Graças ao bom atendimento do SUS (com essa Carlos Bolsonaro não contava), incluindo um especialista em cirurgia vascular que foi providencial no salvamento de Bolsonaro, o presidente foi salvo.
Por linhas tortas, o atentado deu certo. Serviu de álibi pra Bolsonaro não participar de debates. Fez com que Bolsonaro fosse o assunto único da eleição. O atentado ajudou a eleger Bolsonaro. E parecia que a verdade nunca viria à tona. Até que...
Aparece um personagem: Gustavo Bebbiano. Vocês já repararam que as rusgas de Carlos Bolsonaro com Mourão começaram exatamente depois que Bebbiano foi demitido do cargo de Secretário da Presidência?
O alerta vermelho para Carlos foi esse sinal, dado por Bebbiano na entrevista que ele deu à Jovem Pan logo após a demissão: https://jovempan.uol.com.bopiniao-jovem-pan/comentaristas/felipe-moura-brasil/felipe-moura-brasil-carlos-bolsonaro-fez-macumba-psicologica-na-cabeca-do-pai-diz-bebianno.html
Nessa entrevista, Bebbiano deu um sinal de que:
1) sabia da verdade,
2) ia espalhar a história
Carlos já desconfiava do comportamento de Bebbiano. Por isso passou a atacá-lo. Mas não achou que Bebbiano soubesse de toda a conspiração. A questão é: como Bebbiano ficou sabendo? No dia do atentado.
Enquanto todo mundo se dirigiu à Santa Casa de Juiz de Fora, em desespero pela condição médica de Bolsonaro, Bebbiano foi até a delegacia resolver as questões legais. Ele foi o único do staff da campanha de Bolsonaro a ter contato com Adélio após o atentado.
Adélio, surpreso por ter estar vivo (Adélio tratava o atentado como algo suicida, não achava que sairia vivo com aquele aparato de segurança), contou por que quis matar Bolsonaro.
Bebbiano achou que não devia tornar aquilo público porque prejudicaria a eleição, mas sempre falava coisas estilo “ih vocês não sabem de nada do que está acontecendo aqui”. Carlos começou a ficar desconfiado daquilo.
Depois de ser demitido, Bebbiano contou a verdade para Mourão. Nos dois meses em que estiveram convivendo juntos no Planalto (Mourão é muito próximo da ala militar que assessora o presidente), ambos conviveram quase sem rusgas.
Mourão inclusive assumiu posição pró Bebbiano internamente quando Carlos passou a atacá-lo. Mourão interpelou Carlos Bolsonaro, duvidando que aquilo fosse verdade. Carlos reagiu de forma completamente descontrolada e começou a atacar sistematicamente o General Mourão no Twitter.
Mourão, que não tinha dado nenhum crédito pra história, começou a desconfiar de Carlos. E foi dar uma olhada nos papéis da investigação na PF. Sendo um militar experiente, Mourão percebeu logo de cara que alguém tinha feito com que aquelas investigações parassem. Alguém que tinha interlocução dentro da PF. Possivelmente um dos filhos do Bolsonaro? Mourão acreditou em Bebbiano e Carlos ficou sabendo.
Carlos, em reação, começou a dizer que Mourão estava inventando mentiras e conspirando contra o governo. Usou todo mundo que estava ao seu alcance pra isso: Olavo, sua turba na Internet, até mesmo alguns deputados mais influenciáveis.
Isso despertou o alerta vermelho entre os não militares do governo. Por isso o Feliciano entrou com aquele pedido bizarro de impeachment do Mourão.
Mas tem um problema na minha teoria: Carlos não poderia substituir Bolsonaro, porque é filiado ao PSC – e não ao PSL. Mas nada impede Carluxo de estar agindo sob comando de alguém que SIM, podia substituir Bolsonaro.
Quem é que
1) Poderia substituir Bolsonaro
2) Poderia parar uma investigação da PF?
Eduardo Bolsonaro tem só 34 anos. O único que sobrou foi Flávio Bolsonaro.
Sim, foi uma ação conjunta entre os três irmãos. Quando Bebbiano e Mourão descobriram o esquema, Carlos surtou. Porque Adélio não sabia nada sobre Flávio e Eduardo: pra Mourão e Bebbiano, Carlos era o mandante.
Agora Carlos tinha um conflito imenso: se entregava sozinho ao ser descoberto ao apontava os verdadeiros mandantes, seus irmãos? Foi aí que ele sumiu e passou três dias com a senha do Twitter do pai no clube de tiro .38
Era um plano perfeito demais: Bolsonaro morria, e os três filhos de Bolsonaro usariam o mito do pai que teria sido "o melhor presidente do Brasil" para se revezarem na presidência pelos próximos 24 anos.
À partir daí, existiriam três eixos de trabalho: Flávio trabalhava com as milícias e os conservadores evangélicos no Rio. Eduardo trabalhava organizando a campanha nacional de SP e angariando o apoio de empresários. Carlos se responsabilizaria pela campanha via WhatsApp.
Não é à toa que o núcleo militar disse inúmeras vezes para Bolsonaro se afastar dos filhos e de Olavo de Carvalho. O governo Bolsonaro está sob ultimato: Mourão tem o dossiê sobre Carlos em mãos. Carlos está desesperado. Eduardo falou no Twitter que "a guerra só está começando".
Flávio deu entrevista desafiando o MP. E ninguém sabe até onde os filhos de Bolsonaro são capazes de ir em sua ânsia de poder e de implantação de um projeto messiânico olavista.
submitted by davider55 to brasil [link] [comments]


2018.10.08 20:24 brotocarioca Brasil, mostra menos a sua cara. Por favor!

Estou marcando essa thread como desabafo, pois essa é a primeira vez que estou falando sobre os resultados de ontem.

Antes de mais nada devo declarar que muito provavelmente vou anular meu voto no segundo turno, isso se eu sair de casa pra votar. Acho humilhante perder meu domingo indo votar em duas coisas que - NA MINHA OPINIÃO - nem deveriam estar ali.

Fiquei bem puto com os resultados de ontem, mas já esperava. De fato, o que me deixou ainda mais puto foi a atitude de muitas pessoas. Hoje exclui todas as minhas contas de redes sociais e saí de pelo menos uns 5 grupos de whatsapp porque o Brasil se tornou um lugar praticamente impossível de viver em harmonia na sociedade.

Era gente comemorando xingar homossexual, gente ofendendo nordestinos, gente chamando mulheres de putas, evangélico fazendo sinais de armas. Me pergunto se as pessoas sempre foram assim e só não se sentiam a vontade de mostrar ou se ta rolando uma lavagem cerebral muito sinistra em níveis estratosféricos que aconteceu muito rápido e não deu tempo de acompanhar.

O pior de isso tudo é que quem mais faz discurso moralista, mais sujo é. Gente que mente no imposto de renda, gente que vive de pensão fraudulenta, gente que comeu a mulher do irmão, gente que mete chifre na mulher grávida, gente que cheira pó, gente que transa com menor de idade... Todos a favor da família! Sério, VAI SE FUDER! Se você faz merda e depois dá uma de moralista, VAI SE FUDER! Não tem como esse país melhorar assim.

Pra completar, abro o portal de notícias hoje para me deparar com uma entrevista do Alexandre Frota - eleito deputado pelo estado de São Paulo, membro da família, falando do próprio filho:

“ Não sei se você sabe de tudo, mas quando foi concebido em um quarto de hotel em Brasília, eu e sua mãe, um bar tender na época, que conheci e na mesma noite saiu comigo para uma noitada, já havíamos enchido a cara na festa e resolvemos ir para o hotel. No hotel estávamos bebendo cheirando, fumando e fazendo sexo, ambos bem loucos.
É um bloqueio muito simples o que eu tenho com o Mayã. Meus pais se separaram quando eu tinha 9 anos. Muito cedo eu estava sozinho na guerra. Outra coisa: eu não me preparei para ter esse filho. Ele não é fruto de um amor. É fruto de uma transa. A criança não tem culpa, é a frase chavão. Só que eu também não. Nasceu. Eu não fujo das minhas obrigações como pai. Dou dinheiro e faço tudo para estar junto nas datas, minha mãe e minha irmã são loucas por ele. Só que eu tenho que ser sincero. Eu não aceito. E não vou para psicólogo, para analista nenhum, não é a hora. Mais para frente, se eu quiser procurar ele e ele me aceitar está ótimo, se não quiser, está valendo. A vida é assim."

Sério, quem vota em uma pessoa assim pra "defender a família"?
As pessoas estão comendo cocô?
O Brasil tinha que ter sido cancelado na primeira temporada.




submitted by brotocarioca to brasil [link] [comments]


2018.02.16 01:56 antoniobrasileiro Sem direção...Fui traído.

Senta que la vai textão: Faz 10 anos que estou casado com minha esposa. Temos um filho de 10, namoramos pouco tempo, ela ainda era virgem, e eu já tinha vivido outros relacionamentos, (temos uma diferença de 7 anos). Quando descobrimos que ela estava gestante resolvi que casaríamos, confesso que logo no início eu apenas gostava dela, mas sabia que ela era uma pessoa boa de coração, eu já estava cansado de badalação, queria encontrar alguém pra compartilhar uma vida. Então conversamos, disse que estava disposto a casar com ela, e ela aceitou. No início foi muito difícil a convivência, pois sou um cara que gosta das coisas certas, às vezes até demais. Ela cresceu vendo sua mãe ser auto suficiente, de maneira que quando pedia pra fazer algo diferente, de outra maneira, ela achava que eu queria mandar nela, botar ordem. Nunca foi minha intenção, eu apenas queria orientá-la para que as coisas não dessem errado. A família dela é bem humilde, isso nunca foi problema pra mim, porém ela acha que minha mãe não queria que casasse com ela, acha que minha mãe sempre fala algo pra tentar machucá-la, e sinceramente tenho certeza que não é isso. Mas enfim, a questão é que vira e mexe acabamos tendo brigas por conta disso, e o mais engraçado é que a briga é por causa da minha família, que ela começa por conta desses achismos, às vezes porque acha que a madrinha do nosso filho (minha irmã) está mimando demais ele, dando muito presente fazendo as vontades. Graças a Deus as brigas que eram por nós mesmos diminuíram bastante. Eu nunca a proibi de nada, mesmo! Eu sempre a deixei fazer e comprar oque ela queria . Temos uma vida confortável, meu trabalho apesar de ser necessário que esteja constantemente viajando remunera bem, com isso ela nunca precisou trabalhar. Mas ela não é dondoca, de só ficar em casa sem fazer nada, ela me ajuda muito cuidando da casa, e agora tomando conta do negócio que montamos (guardando dinheiro) quando estou fora. Depois que nosso filho fez dois anos ela quis fazer faculdade de educação física, eu dei o maior apoio pra ela. Lá no fundo eu sabia que a desgraça viria deste curso, eu nunca disse isso a ela. Enquanto ela estava fazendo o curso eu nunca desconfiei de nada, com exceção de uma vez que ela disse que ia pra faculdade, aconteceu um imprevisto e tive que ir lá pegar ela. O campus da faculdade é bem grande, eu sabia quais eram as salas que ela tinha aula, mesmo assim eu não a encontrei. Liguei várias vezes o telefone só chamou, quando eu já estava voltando pra casa, ela me ligou, disse que estava na parada de ônibus próximo. Perguntei onde ela estava, ela disse que estava no laboratório, e eu realmente não tinha ido lá, já que não sabia onde ficava. Em 2015 sofri muita pressão no meu trabalho, pois minha empresa estava prestes a perder um importante contrato, e além disso tinha conseguido uma vaga muito difícil em curso que me possibilitaria ascender em minha carreira. Como a instabilidade na minha empresa estava crescendo, isso significava que teria que arcar com todas as despesas sem trabalhar durante 6 meses. Pra completar o cenário, a crise veio com força, e começou a surgir histórias de que o curso seria cancelado. Fiquei uma pilha de nervos, pois ficaria desempregado, não faria o curso e sem perspectiva nenhuma de emprego, pois na função que estava não apareciam vagas. Confesso que nem eu estava me suportando às vezes, eu transferi um pouco dessa pressão pra ela. No final de 2015 fui demitido, e no início de 2016 saiu a resposta que eu mais esperava, o curso seria realizado! Fiquei um pouco aliviado, mas a crise se aprofundou na minha área, e as vagas que apareciam para posições superiores também minguaram. O curso seria realizado em uma cidade onde conheci minha primeira namorada, porém, ela já não vivia mais lá, morava em uma cidade no mesmo estado porém a várias horas de distância. Além disso já não gostava dela há muito tempo, eu estava casado e minha ex namorando. Nessa cidade ainda moram muitos amigos meus de faculdade, que não os via fazia tanto tempo. Foi natural que eles me convidassem pra ir assar uma carne e tomar cerveja, sair pra um barzinho, e ir uma vez em um show. De uma vez que sai com meus amigos, passei bastante tempo com eles, meu telefone descarregou. No outro dia ela me ligou dizendo que eu tinha ido me encontrar com a ex. Durante o curso todo ela achou que eu estava fazendo coisa errada...Sinceramente depois do que descobri, queria ter feito. A verdade é que depois que casei com ela, nunca estive com outra mulher, nem mesmo beijei outra mulher. Acho que ela não acredita nisso… Durante o tempo que estava realizando o curso apareceu a oportunidade de montarmos o negócio que estamos tocando. Não tinha como eu tocar a obra de outra cidade, então ela ficou encarregada disso, com meu auxílio pelo telefone. Tivemos muitas brigas por causa das obras, porque muitas vezes ela queria fazer do jeito que ela achava, e muitas vezes errado, sendo que eu explicava tudo pra ela como deveria ser feito pra não ter desperdícios, pra não estourar nosso orçamento e nem atrasar as obras. No final das contas inauguramos nosso empreendimento, e está indo muito bem obrigado. Sempre foi meu sonho poder um dia largar meu trabalho e poder trabalhar perto dela e do meu filho, ter uma vida estável sem precisar me ausentar. A empresa inaugurou em outubro de 2016, atrasou um pouco, mas sem maiores consequências. Nesse meio tempo o curso já havia terminado, e eu estava empregado novamente na posição que o curso me proporcionou. Gente, vocês não têm noção de como eu fiquei mais leve, relaxado, aquele peso todo que sentia estava finalmente saindo das minhas costas. Algumas brigas ainda existem por conta do negócio, mas normal, nada sério, nessa parte sabemos que os assuntos do negócio têm que permanecer lá depois que fechamos as portas no final do dia. O ano de 2017 veio de uma forma muito boa, pelo menos pra mim. Teve uma vez que nos desentendemos feio. Foi ela que começou a puxar assunto sobre minha irmã, aquela mesma história que já falei, ela achar que a madrinha denga muito o sobrinho. Nesse dia senti que ela estava arrumando um pretexto pra arrumar confusão comigo, passou uma duas horas falando, e queria que eu ligasse pra minha irmã pra reclamar sobre o assunto. Não fiz, até porque era ela que estava incomodada com a situação, e além disso o filho não é só meu. Às vezes temos algumas brigas sérias por conta do nosso filho, porque ela muitas vezes espera que eu o corrija...Costumo dizer que ela só quer os momentos bons com ele...Acredito ser verdade, pois muitas vezes quando ele está fazendo mal criação, ela grita de lá: “olha marido oque teu filho tá fazendo”. Caramba, isso me dá nos nervos, quando o filhote faz isso comigo não espero por ela. Eu o corrijo na mesma hora. E ela muitas vezes não faz, ou me chama pra dar bronca. Agora nem vou mais, só faço falar: “Te vira! É teu filho também”. Antes de tudo quero que ele cresça um homem íntegro, respeitador e honesto. Aí veio agosto de 2017, meu mundo veio a baixo. A felicidade que sentia, quando estava em casa com eles, minha esposa e filho, ao vê-los correndo pela casa, quando eu estava brincando com eles na cama de fazer cócegas era muito grande. Eu dizia só pra mim: “Obrigado meu Deus por me dar tanta felicidade”. Se no início eu apenas gostava dela, naquele momento eu a amava demais. Tudo isso acabou! Descobri que ela estava me traindo com um ex professor da faculdade. E pra completar ele mora na rua de trás de casa. No início ela tentou negar tudo, dizendo que era invenção da minha cabeça. Mas eu tinha provas, e contra provas não há argumentos. Ela tentou esconder quem era a pessoa no início, tentou dizer que saiu só aquela vez que descobri...Mas aos poucos, por conta própria, descobri que ela já vinha saindo com o cara desde 2015, lembra da pressão que estava sofrendo? Pois é, e essa história toda de estarmos sofrendo pressão, foi oque ela diz ter causado a traição. Quando estive fazendo o curso, ela saiu várias vezes com ele, e depois me alegou que era porque achava que estava saindo com minha ex. Em maio de 2017 foi a última vez que ela diz ter saído com ele. Aqui eu preciso fazer um parêntese: Mais ou menos em 2013, não lembro bem a data, sério, a ex entrou em contato comigo, ai acabou que fizemos várias chamadas pelo skype, e ficamos nus um para outro. Rolou masturbação, confesso. Mas parou aí. Nunca mais encontrei com ela, e depois disso também não falei mais com ela. Logo depois que aconteceu as chamadas de skype, me arrependi muito, não é uma coisa que sinto orgulho. Mas também até eu descobrir a traição da minha esposa, eu ainda não tinha contado pra ela oque havia ocorrido. Ou seja, teoricamente, ela não teria motivos reais pra me trair, porque ela nem desconfiava. Brigamos muito, xingamos um ao outro. Eu chorei muito, ela também. Ela diz que sempre me amou, nunca deixou de gostar de mim. Que acha que foram coisas que deveria ter feito enquanto era solteira. Estamos juntos, ainda gosto muito dela...Tenho medo de perder minha família… Mas fico muito receoso de quebrar a cara novamente. Às vezes sinto que fui duplamente sacaneado por ela, porque se eu quiser me separar dela, terei que abrir mão também do meu sonho, de trabalhar perto de casa. Não existe um dia que não pense no que ela fez, no que ela pode ter feito com o cara. Me sinto muito humilhado. Estamos junto, mas por enquanto não consigo me ver novamente com ela como antes, os dois velhinhos… Ela toda curvadinha e eu segurando ela pelo braço...Cara é foda! Que vontade de chorar! Sinto meu orgulho ferido...Eu posso não ser o melhor homem do mundo, mas também sei que não merecia isso, sei que a opção de fazer foi totalmente dela, independente das pressões, brigas e dificuldades que tenhamos passado. Eu fiz uma viagem com ela agora para um destino romântico, foi legal...Mas...Depois disso tudo sempre tem o “mas”. Essa semana briguei feio com ela novamente, não estou em casa, estou trabalhando…Sinceramente não sei oque fazer. Já tentamos psicóloga, mas acho que não adiantou muito não. A verdade é que às vezes queria machucá-la, fazê-la sentir oque eu sinto às vezes. Essa semana instalei tinder e esses outros app, queria me sentir valorizado. Às vezes me vejo fazendo e dizendo coisas pra ela só pra ver se ainda gosta de mim. Me sinto ridículo quando percebo. Teve ocasiões em que até pensei em inventar pra ela que estive com a ex. Agora estou pensando em fazer uma viagem sozinho, pra um lugar bem distante quando sair do trabalho. Penso que preciso de um tempo só comigo mesmo. Queria opiniões e maneiras de pensar de pessoas que não façam parte do meu convívio. Por isso postei aqui.
submitted by antoniobrasileiro to desabafos [link] [comments]


2017.12.28 17:57 brucewaynedosuburbio Oi, Reddit. Hoje me pagaram R$ 2 mil para stalkear e descobrir tudo sobre uma pessoa. Segue meu relato de como fiz isso :)

EDIT MAIS IMPORTANTE: não me desafiem :)
EDIT IMPORTANTE: galera, comecei a receber várias mensagens de pessoas interessadas e pedindo ajudaa para encontrar amigos e amores do passado. Eu não sou profissional nisso e fiz isso como hobby, não depositem suas fichas em mim não, rs.
E outra: vou viajar agora no Ano Novo e ficar um tempo fora. Então não devo responder mais nada por aqui por um tempo. Quando voltar, vejo mensagem por mensagem e se posso ajudar ou não.
Voltando ao post original
Eu trabalho com marketing digital e sempre fui bom em caçar pessoas. Fazia isso no trabalho direito a ponto de se tornar um hobby. Brotou um cliente novo? Eu usava meus recursos para descobrir tudo o que podia sobre ele: endereço, estado civil, mídias sociais, processos, relacionamentos e por aí vai.
Isso me fez descobrir coisas interessantes. Como uma pessoa que entrevistamos para o trabalho era um bolsominion expulso da Polícia Militar acusado de assassinato (surpreendentemente absolvido, apesar de tudo apontar contra ele e seus colegas e ter até matéria de jornal sobre isso). Que o novo namorado de uma colega de trabalho frequentava um fórum de acompanhantes e tinha um perfil fake para manter contato com as primas. Que uma funcionária daqui abriu uma empresa no nome do marido e estava usando informações privilegiadas nossas para concorrer conosco em pequenas licitações.
Minha fama acabou crescendo um pouquinho até chegar em um amigo de um colega de trabalho. A missão que ele me passou? Encontrar um amor dele do segundo grau. Achei meio obsessivo, mas o cara me disse que só queria saber como ela estava, como eles haviam perdido completamente o contato por terem se formado ainda nos anos 90, sem os benefícios da internet e tal. Ele tentou contratar uma firma de detetives, mas os caras não descobriram nada com as informações que ele passou. E ele ainda morreu uma grana boa com eles.
Ele veio falar comigo e pensei, por que não? Como nunca tinha feito isso na vida, ofereci receber APENAS se descobrisse alguma coisa, apesar de geralmente rolar um adiantamento nesses casos. Segue como fiz.
Disclaimer importante: nada aqui é garantia de que vocês terão algum resultado seguindo essas dicas. Algumas pessoas têm uma pegada digital ínfima por conta da idade ou da natureza de seus afazeres profissionais/acadêmicos.
Informações que recebi: primeiro nome, um dos sobrenomes, bairro onde a pessoa morava e supostamente ainda morava, uma foto dessa pessoa no fim dos anos 2000 em uma reunião de ex-alunos dessa escola. Ele também sabia que a pessoa em questão fazia aniversário em maio. Ele desconfiava que ela havia passado para algum curso de Letras de faculdade pública do Rio de Janeiro ainda no fim dos anos 90.
Primeira fonte: o Facebook: perguntei ao cara se ele conhecia alguém de confiança que morasse no mesmo bairro que ela. Ele tinha. Essa pessoa me cedeu sua senha e login no Facebook temporariamente para ajudar na busca. A combinação de nome + sobrenome que ele tinha não dava resultado algum. Provavelmente ela usava outro sobrenome.
Aqui eu tinha duas alternativas: a mais correta, que era pegar esses dois nomes que ele tinha e consultar o registro de aprovados no curso de letras nos anos que ele indicou (1998/1999) ou visitar a antiga escola dela. Seria o método mais fácil para descobrir o nome completo dela, mas também me tomaria tempo e gasto de ficar indo fisicamente nas universidades e na escola para consultar esses registros. Eu não queria tirar a bunda da cadeira, então foi na força bruta.
Eu chutei algumas dezenas de sobrenomes. Comecei calculando o numero de perfis que acessei numa única manhã e parei de contar quanto já estava na casa dos 200. Acho que estava na casa dos 300 quando encontrei pela foto.
Páginas curtidas, fotos curtidas pela pessoa: vamos chamar a pessoa de Karen. Karen tinha um Facebook bem monótono. Parcialmente fechado, com menos de 200 amigos e pouquíssima atividade. Isso é um empecilho fodido, mas vamos lá: com a user ID dela, você consegue checar as fotos que ela curtiu a partir do link https://www.facebook.com/search/INSERIR_NÚMERO_DA_ID_AQUI/photos-liked . Também acompanhei as curtidas dela.
Assim, descobri que ela era espírita e seguia as páginas de alguns centros espíritas. Nos comentários de fotos dela - as poucas abertas - vi pessoas mencionando encontrá-la no tal centro espírita, mas sem mencionar o nome dele. Chequei as fanpages de todos os centros e revirei as fotos dos eventos até descobrir que não só ela era membro assídua de um deles, mas também era médium de um deles. Consegui até para ele os horários em que ela atendia no centro.
Pelas páginas curtidas, também descobri um bocado sobre ela: que ela tinha um filho, que ela era espírita e de esquerda, que ela fora abandonada pelo marido. que seguia várias páginas de concurseiros, que gostava de ler literatura hot, que aparentemente sofria de depressão.
Nosso amigo Google: sabendo o primeiro nome dela, o sobrenome que esse cliente lembrava e o que ela usava no Facebook, juntei os três para fazer algumas combinações de pesquisa no Google. Sempre usando aspas e tentando fazer diferentes buscas.
"Karen" "Santos" "Amoedo"
"Karen dos Santos" "Amoedo"
"Karen Amoedo" "Dos santos"
Como eu sabia o ano aproximado em que ela nasceu e o suposto mês, jogava a data junto também com um dia aleatório: "13/05/198X".
Não demorou muito para rolar o bingo. Karen dos Santos Souza Amoedo, nascida em 24/05/198X. A informação veio na lista de aprovados de um concurso público de alguns anos atrás.
A partir daí, foi uma chuva de resultados. Descobri as exonerações e contratações dela em diferentes cargos federais e estaduais por conta dos Diários Oficiais, que ela foi assistente administrativa em uma faculdade daqui por alguns anos, passou em outro concurso e migrou para outra instituição.
A partir dos editais de cada concurso e o LoveMondays, identifiquei também o salário estimado que ela ganhava em cada um deles sem grandes dificuldades.
O Google retorna muita coisa boa. Registros em cartório, processos, empresas no seu nome, uma caralhada de coisa. Numa dessas buscas, encontrei o perfil dela no Youtube, que era aberto e tinha várias informações de coisas que ela gostava: hobbies, canais sobre depressão e espiritismo, plano de estudos para concursos públicos e por aí vai.
CPF é seu amigo
Hoje, é muito fácil no Brasil você consultar informações de pessoas por CPF em sites como o CC Fácil. Seu próximo passo então é descobrir o CPF da pessoa em questão.
Aqui é muito 8 ou 80. Muita gente tem o CPF largado pela internet por milhões de razões: alguma citação em ação judicial, diário oficial, burrice, uns bancos cadastrais que se encontram por aí. O meu, por exemplo, não está disponível em lugar algum.
No caso dessa pessoa em questão, jogar o "Karen dos Santos Souza Amoedo" (lembrando que o nome é fictício :) ) rendeu algumas dezenas de resultados e, num deles, havia o CPF da pessoa em questão. Fui lá eu no CC Fácil fazer a consulta.
Tem duas coisas SUPER importantes sobre o CCFácil:
O resultado? O endereço de casado dela, o atual endereço, o celular, o telefone fixo, alguns detalhes sobre a vida financeira dela.
A interpretação das informações: só nessa brincadeira aí já estava terminado o serviço, mas decidi ir mais a fundo e ver o que mais conseguia descobrir. Muita coisa é subjetiva e fruto de algumas migalhas de informação que a gente precisa interpretar, é quase como contar uma história mesmo.
Eu consegui acertar o perfil básico dela quase que por inteiro. A conclusão que cheguei foi que Karen casou-se com 20 e poucos anos, teve um filho e se separou em algum momento. Não consegui descobrir o nome do cônjuge, mas acho que poderia ter ido mais longe se recorresse aos cartórios da região. A depressão veio depois da separação, aparentemente com o filho ainda pequeno (hoje adolescente).
Pela descrição que ele me deu, ela parecia pouquíssimo religiosa nos tempos de escola. Concluí que a religião foi a forma que ela encontrou de enfrentar a depressão. Ela jamais exerceu a profissão pela qual se formou, se limitando a fazer vários concursos públicos para assistente administrativo, sempre mirando bem baixo. O salário mais alto da carreira dela foi R$ 2700~R$3100, já com as gratificações inclusas, pelo que consegui achar.
Ela conseguiu manter o peso após a gravidez, pelas fotos que encontrei. Mas a separação e a possível depressão fizeram ela engordar bastante. Ela também seguia várias páginas de comida orgânica e dietas saudáveis, mas não parecia estar fazendo muito efeito.
O que mais consegui?: liguei para a entidade pública onde ela trabalhava me identificando como funcionário dos Correios. Queria confirmar o endereço dela e a unidade daquela repartição onde ela trabalhava, já que era uma instituição bem grande. Falei que tinha uma encomenda no nome dela como endereço errado e que seria devolvido ao remetente, mas que aquele era o único telefone de contato. Nego se desdobrou e conseguiu me passar exatamente onde ela trabalhava e o ramal dela. Essa instituição tem várias unidades diferentes espalhadas pela cidade.
Queria confirmar o endereço que havia descoberto pelo CPF, mas também quis testar a ingenuidade dela. Dei outro endereço próximo no bairro em que ela mora, dei o nome do remetente como uma loja de apostilas de concursos públicos (com base nos interesses dela que escavei). Ela acreditou na hora e me passou o endereço certo, confirmando o segundo endereço que recebi na consulta da CC Fácil. Talvez o primeiro fosse dos tempos de casada.
Além disso tudo, com uma foto taggeada de uma amiga, descobri a escola onde o filho dela estuda. E que ele é meio geek/otaku (imagina se o cara tá no sub, hehe).
Acertei tudo? Da minha interpretação, só errei o espiritismo como válvula de escape para a depressão após o fim do casamento. Na verdade, o espiritismo foi a resposta que ela encontrou para a morte do pai há alguns anos.
Por que estou postando isso aqui?
Várias razões:
Sim, é meio creepy. Bem creepy, na verdade. Mas eu fiquei satisfeito com o resultado e espero que os dois se deem bem. E que ele não seja um psicopata ou mate ela, senão vou ficar com uma dor na consciência fodida. Mas pelo menos ganhei R$ 2 mil por basicamente um dia de trabalho :)
Vai funcionar comigo?
Aí vai um depende gigantesco, como eu disse lá em cima. Eu tenho uma vida bem ativa nas redes sociais e me recrimino por isso. É bem fácil saber bastante sobre mim e descobrir coisa sobre a minha vida. Mas a minha esposa, por exemplo, tem uma pegada digital mínima. Trabalha na iniciativa privada, em uma empresa pequena, não tem empresas no seu nome, não faz concursos públicos, não tem uma profissão que coloque o nome dela na internet repetidamente, não é chegada às redes sociais.
Se meu alvo em questão fosse a minha esposa, provavelmente eu não conseguiria porra nenhuma. Minha dica? Se vocês têm algo comprometedor e querem esconder, ou até simplesmente querem proteger sua privacidade, comecem a buscar essas informações sobre vocês disponíveis por aí e apaguem elas. Se você quer encontrar alguém, é só ser perseverante. A internet é um mar de informação.
submitted by brucewaynedosuburbio to brasil [link] [comments]


2016.07.18 14:45 999Luzeiro A praia está perdida

publicação original no Medium
Eu sempre subi àquele terraço em dia de festa. A arquitetura brutal, o piso grafite e a irremediável falta de uma paisagem que preste (comum à capital, aliás), jamais foram capazes de reduzir a alegria que sinto ao visitar minha única irmã. Percebo, desta vez, que o luto se expressa pelas varizes nas paredes que rodeiam a escada, no metal frio e azedo do corrimão e, finalmente, na sensação de pisar em um cinzeiro proporcionada pelas placas erodidas do piso. A feiura é oportunista, e no dia de hoje, saiu em carnaval.
Lá estava o meu cunhado, abaixo de uma das pontas do varal, investigando pelos espaços vazios do gradeado uma possibilidade de escorrer pelas paredes externas do prédio de nove andares. “Você comeu, Felipe?”, foi o meu único cumprimento possível, e “Hum, comi” foi a única resposta que lhe pareceu honesta. É claro que comeu — alguma vez na vida — mas duvido que tenha tido estômago para reiterar tão prazeroso e exigente hábito, hoje. Hoje não, pois o meu cunhado, marido da minha única irmã, perdeu o único filho. Meu único sobrinho e afilhado. Minha dor não é pequena, mas no topo do pódio da orfandade inversa, temos a minha irmã, coroada de espinhos e de cama há dois dias. Em seguida, Felipe Remador, estático no terraço em pleno inverno e com o estômago vazio. Talvez eu em esteja em terceiro lugar, junto com a namorada do Léo, não sei. O que sei é trago as notícias, como um relâmpago invisível que transformará os tímpanos do ouvinte em peito.
“Escuta, Felipe.” E descrevo como um apresentador de telejornal excessivamente soturno o desdobrar dos fatos do dia: encontraram o corpo preso ao recife, poucas escoriações, a causa mortis foi mesmo o afogamento, está tudo acertado para o enterro amanhã, no Parque da Colina. Falei com a mãe da namorada, ela não vai, está em choque. Aquele menino, Raul, ainda não voltou a Belo Horizonte. Me ligou do celular do Léo, estava com uma voz tenebrosa. Está tudo pago, não se preocupa. Eu estou muito bem empregado e não é hora de falar disso. E dou sequência, como ventania: “Preciso te contar uma coisa, Lipe, o Léo me ligou no dia anterior ao sumiço, e a conversa estava mais estranha do que de costume…”
“Eu comi, sim. Tem macarrão, se você quiser.” E me corta como se nos falássemos pela internet, com enorme atraso. E começa a me contar do filho: coisas que eu já sei, mas só me resta ouvir mais uma vez.
Leonardo Remador nasceu com o cordão umbilical em volta do pescoço, sem choro e nem desespero. Nasceu sorrindo. O obstetra achou que estava se contorcendo pelo sufoco, mas não: era um sorriso mesmo. “Esse é forte, corajoso” — daí ‘Leonardo’ — disse, para encher o pai de orgulho, enquanto a enfermeira entregava o Príncipe aos braços da mãe. Era um Príncipe, quase enforcado, porém um Príncipe, como são todos os recém-nascidos após a Proclamação da República. Não parava de se mexer e olhar ao redor, como se procurasse por mais um corda para se amarrar, e se apertar.
Começou a andar com oito meses (o que o pediatra considerou um recorde) mas o pai já reparava que muito antes o guri já ensaiava ficar de pé. Era uma brincadeira nervosa: apoiava-se nos joelhos e esticava as pernas trêmulas, e em dois segundos caía. “Toda criança faz isso”, diz o pediatra sem querer estregar o encantamento do recém-pai. “Não”, continua Felipe, “ele não cai e chora. Ele cai a dá a maior gargalhada. E se levanta e se joga de novo. E ri. Se já soubesse falar ia chamar isso de ‘brincadeira da gravidade’, sei lá”. E descreve a forma como o filho olha para baixo ao cair, como se quisesse testemunhar cada segundo do trajeto. “Às vezes o Léo tem um senso de humor maior do que o das outras crianças”, desconversa o jovem doutor, voltando os olhos adestrados ao monitor adestrador do computador.
Aos cinco anos chorava e dava escândalos quando o pai se negava a dar uma volta de motocicleta com ele pelo quarteirão. Quando o seu desejo era atendido aos finais de semana, voltava para casa dócil e calado, prestes a cair no sono e recompensar os pais com o silêncio que o casal tinha antes do Príncipe ter vindo ao mundo.
E ele foi ao mundo: no futebol, só jogava como goleiro pois nas outras posições não podia atirar-se pelos ares e havia menos risco de levar uma bolada na cara. Na natação, perdia as instruções do professor por se interessar mais pela apneia. Se deu melhor nas artes marciais, para o desespero de sua mãe que não suportava ter que aplicar curativos duas vezes por semana. Finalmente, na puberdade, a coragem e o senso de humor exagerado tornaram-se insuportáveis. Gostava de provocar o pai pelo simples prazer de escutar sua voz engrossar e ameaçá-lo. Sentava-se na janela para ouvir música e balançava-se para frente e para trás em um ângulo cada vez menos agudo, cantarolando sossegado até que a mãe o via do corredor e gritava de susto. Só se interessava pelas garotas que já tinham um namorado, e aos treze anos voltou para casa com um olho roxo e os lábios rasgados por roubar um beijo de uma garota mais velha que estava a dois metros do cara mais velho ainda que a namorava. Os pais concordavam que aquilo não era rebeldia pois sempre que aprontava alguma o adolescente passava os próximos dois ou três dias obediente e calmo. Ele tinha ideias que beiravam a burrice e após um longo ano de acidentes e notas baixas, foram atrás de especialistas, pois o primeiro médico que o tocou estava mesmo errado. Leonardo, segundo o psicólogo, era um bom rapaz, mas era melhor ir ver um psiquiatra. O psiquiatra — que por curiosidade saltava de para-quedas nos finais de semana — também não viu nada de errado no garoto, mas por via das dúvidas, recomendou um amigo neurologista. Após mapear o cérebro de Léo, confirmou a boa saúde mental do rapaz, mas seguiu uma pista em sua circulação sanguínea nos exames de rotina que o levava a crer que o nível de adrenalina era muito mais alto do que o normal. Com a ajuda de um endocrinologista constaram que a coragem de Leonardo era na verdade uma doença rara em suas glândulas renais que produziam uma quantidade excessiva daquele hormônio, viciando das íris aos pulmões, passando pelo coração e todos os músculos. O pai teve que vender a moto e um carro, mas pagaram o tratamento e aos dezesseis Léo já não andava mais com sua bicicleta sem freios pelo bairro. Apesar de não ser dos mais espertos ou um dos mais bonitos, tinha um talento único com as mulheres, já que a possibilidade de rejeição o atraia, coisa que não existia em homem algum. Aos dezenove, arrumou uma namorada sem namorado, Júlia, e achava o máximo quando a menstruação dela atrasava alguns dias, e é claro que não era nem um pouco favorável ao uso de preservativos. Dizia apenas que era uma pessoa simples e que gostava das diversões curtas pois a vida, em si, era mesmo curta. Raul, um dos seus amigos mais antigos, ria e dizia que o problema é que os momentos simples de Léo poderiam encurtar a vida mais ainda. Era grato ao parceiro, pois mesmo sem se interessar por um baseado, Léo era o único disposto a entrar com ele nas favelas para comprar aquele mato amassado.
Apreensivos, os pais viram o garoto tirar a carteira de motorista. Nenhum problema, a não ser as multas por excesso de velocidade que eram pagas pelo próprio rapaz, que se virava na papelaria do pai do Raul. As pessoas que conviviam com ele acabaram se acostumando e até mesmo os pais deixaram de se preocupar tanto e esqueceram que “o jeito dele” era um problema sério. Júlia, segundo um psicanalista freud- ou junguiano (precisamos diferenciar charlatões?), no fundo morria de tesão por caras irresponsáveis, Raul (nas palavras de uma pedagoga do Ensino Médio) também não era exemplo de comportamento e assim Leonardo tocou sua vida abusando da sorte.
Acontece que, mineiro que era, Léo poucas vezes foi ver o mar, e só o fez ao lado dos pais, que não gostavam muito de areia. Aos vinte e um foi ao litoral capixaba com Júlia, amigos dela e o tal do Raul. Uns dois ou três dias antes da data da volta para casa, Léo me ligou. Ouvi o pequeno trip journal que, não sei porque, decidiu me contar ao custo de todos os créditos do seu pré-pago. Começa bobo e vai escurecendo, como a apresentação de um palhaço trágico, e eu me arrependo de não ter anotado algumas partes, ou gravado a conversa toda.
Em janeiro, o sol derramava-se do alto e refletia na areia e no mar, queimando sua pele branca e agredindo seus olhos não muito escuros. Gostou daquilo, mas logo à frente estava algo que o seduzia muito mais, o próprio mar. Não entendia como tantas pessoas aguentavam ficar o dia inteiro sentadas em cadeiras de plástico bebendo e comendo ao redor dos quiosques sem nem se aproximar das ondas. Logo no primeiro dia, subiu com Raul em um morro baixo com os pés descalços e sentaram-se em rochas negras que um dia formaram um coral. Enquanto o amigo apertava um, viu uma mulher alta e bronzeada, de cabelos morenos e músculos bem definidos mergulhar nas águas e nadar por quatro minutos, sem parar, traçando uma linha quase reta. Ao distanciar-se da praia, as ondas tornaram-se maiores e algumas pessoas já acenavam para que ela voltasse. Desapareceu atrás das ondas por alguns segundos, e, depois, sorrindo, nadou de volta como se estivesse em uma piscina rasa. Gostou daquilo.
Nadou com Júlia um bom tempo pela tarde, sem se arriscar de mais. Toda vez que olhava para a linha do horizonte, se distraía a ponto de deixar de escutar o que a namorada falava. Lembrou-se de como aquela morena conseguiu ir tão longe com tanta calma. Gostou daquilo, mas gostou de mais. À noite, após uma bebedeira na casa dos pais de um dos amigos de Júlia, Léo teve sonhos agitados. Quando acordou, lembrou-se de três: primeiro, mordia o cano de uma arma de fogo que um homem encapuzado que apontava para sua cabeça, rindo da falta de coragem do assaltante em disparar. Em outra situação apontava para a namorada que trocava de roupa, mostrando para Raul. Por fim, sonhou que nadava no fundo de um lago e respirava normalmente embaixo d’água, sem precisar voltar à superfície.
Saiu sozinho para comprar pão e o que mais precisassem. Como em qualquer cidadezinha do litoral do Espírito Santo, encontraria uns cinco botecos para cada padaria ou mercearia — se a mercearia vender cerveja, não sei dizer como ficaria a conta, mas enfim, por uma questão estatística decidiu tomar uma antes de cumprir a sua missão de levar comida à namorada e aos amigos.
Ao final da primeira garrafa daquela cerveja fraca mas bravamente gelada, Léo olha em volta e percebe a presença da nadadora alta e morena. Não a tinha visto ali, sozinha na outra ponta do balcão, que era em éle e permitia tal ponto cego. A moça olhava para ele e achava graça da miserável atitude do menino de quase torcer a garrafa que já havia acabado. Ofereceu a sua, cheia, e lá vai Léo conversar fiado com uma mulher linda e aparentemente solteira ao invés de levar pão para a namorada. “Ela achou o meu sobrenome o máximo, tio. Disse que eu devia nadar muito bem, porque, ‘Remador’, né. Mas já devia estar bêbada. Achava graça de tudo. Meio doidinha, acho que não estava me dando mole, só tentando escapar de um cara lá que não parava de mexer com ela. Mas eu não vi o cara. Eu estava tranquilo também, cê sabe que eu gosto muito da Júlia. Mas então, cê lembra daquela menina que nadava comigo na equipe da escola? Você já deu carona pra ela. É a cara, tio. Eu pensei que fosse ela.” Tirei o celular do ouvido para ver o tempo da conversa no display. 52 minutos. E o menino não parava de falar. “Vai comprar o pão, ô sem vergonha.” E ele me obedeceu e desligou.
Olha, apesar dos quarenta e poucos, eu sou um homem bonito. Na verdade, eu sempre fui. E mesmo assim, uma morena dessas nunca me abordou em boteco copo sujo de praia. Só uns tios e uns hippies para me pedirem o isqueiro. E eu adoro morenas, Léo.
Léo.
O que aconteceu com você? O Raul me contou de uma briga com um rapazinho local — aliás, eu preciso achar o Raul — e agora as hipóteses florescem na minha imaginação, que não tem sono desde o contato da polícia.
Passaram os próximos dias longe da praia, fazendo trilhas e visitando os arraiais à procura de festa. Com Júlia sentada em seu colo (eu só via vocês nessa posição, encaixavam bem, até), estava em um boteco ao lado da praça da igreja de uma vila. Bebiam cerveja e viravam doses de cachaça da pior qualidade enquanto um forró soava indecifrável abafado pela voz de umas dezenas de pessoas que ocupavam as calçadas. Foi surpreendido por um grito de Raul que levantava a voz para um adolescente, prestes a agredi-lo. Pediu para Júlia levantar-se, a garota não atendeu imediatamente e quase foi derrubada no chão por um homem de sorriso estranho que até o minuto anterior era o namorado que com carinho passava as mãos quentes em suas pernas. A coragem imbecil que custou um carro e uma moto ao pai de Leonardo agarrava o adolescente pela nuca e bateu o rosto do rapaz com força em um banco de madeira e ferro da praça. Enquanto o sangue corria, alguém acertou uma cadeira nas costas de Léo, enquanto três ou quatro homens mais velhos corriam atrás dele, que escapava. Sumiu no mato, rasgou a perna esquerda nos galhos (uma das escoriações não era de coral, mas aparentemente de vegetação rasteira) e encontrou uma estrada de terra que seguiu por mais de uma hora caminhando devagar, sentindo seu corpo em chamas por conta do coração que parecia ter dobrado de tamanho.
Não sabia o motivo da briga de Raul e nem se importava. Também não se importava da grosseria com a namorada e nem com o fato de que provavelmente alguns homens o perseguiam em uma caminhonete, moto ou jipe com pedaços de pau ou uma pistola semi-automática embaixo do banco. Exausto, alcançou a praia. Sentou-se na areia e viu o sol nascer, vermelho como se estivesse se pondo. Realmente, o sol se punha para você, meu afilhado. Viu uma pessoa caminhar onde as ondas quebravam, chegou mais perto e reconheceu a mesma mulher de cabelos negros que viu no primeiro dia no litoral. A do bar (que… coisa é você, mulher? Shinigami?). Ela ignorou sua presença e mergulhou, nadando mais uma vez em ritmo forte e veloz, até desaparecer na espuma de uma grande onda que quebrou prematuramente. Mergulhou também. Seu corpo em chamas mal percebeu como a água estava gelada. Nadou em compasso olímpico esticando todos os seus músculos, estirando seus pulmões, sugando todo o ar salgado que havia em quilômetros cúbicos. Sem parar as braçadas, abriu os olhos e viu que a mulher nadava ao seu lado, fechou os olhos que ardiam com o sal e quando abriu de novo, ela já não estava mais lá. Quando finalmente parou, viu que ela voltava, derrotada e humilhada pelo novo recordista daquela praia.
Enquanto a água esfriava, olhou para o céu e ficou finalmente satisfeito de uma forma irracional, a única forma que sentia-se satisfeito na vida. Todo o seu corpo vibrava, o prazer era tão grande que balançava os pés sem cansar pra manter-se na superfície sem se cansar. Quando o corpo doeu pelo frio que fazia, decidiu voltar, mas quando olhou para a praia, ela estava distante e uma névoa baixa ia convertendo-a em um ponto invisível naquela imensa massa azul. O corpo esfriou, os pés pararam de se mover, os braços penderam-se ao lado do quadril. Quanto maior o músculo, mais forte a dor da cãibra, e as panturrilhas de Léo pareciam dois mamões. Afundou em silêncio, e sonhou de novo. Sonhou que nadava em um lago escuro e podia respirar embaixo d’água. Sonhou que estava na praia e nadava em direção ao horizonte. Quando quis voltar, a praia estava perdida.
submitted by 999Luzeiro to literatura [link] [comments]


2016.05.31 18:56 pedroshooter [ANN][PSP] POSPRO - POW/POS - ICO começa 13 de maio 11 AM -www.pospro.link )

Website Oficial: www.pospro.link (http://www.pospro.link)
Moeda POSPRO [PSP] é uma moeda online p2p que permite transações instantâneas, com custos próximos de zero para qualquer lugar no mundo. POSPRO é uma fonte aberta, rede de pagamento global que é totalmente descentralizada , sem quaisquer autoridades centrais. A rede é protegida matematicamente e permite que os usuários controlem suas próprias finanças. POSPRO apresenta uma rápida confirmação de transação e melhoria da eficiência de armazenamento do que as moedas líderes baseadas em algorítimos. Com o apoio da indústria substancial, o volume de comércio e liquidez.
POS Prova de Acumulo aumenta a velocidade, segurança e eficiência energetica comparada com as demais moedas digitais. Livre de chefes e bancos, POSPRO da o poder de volta a pessoa. Ninguém é dono da POSPRO, não é uma empresa única, qualquer um pode fazer parte.
A tecnologia POSPRO’s permite qua a pessoa envie e receba rapido, facil e com segurança pagamentos com pessoas em qualquer parte do mundo. Sem precisar de chefes ou bancos. Totalmente aberta. POSPRO é uma moeda da comunidade, e o sucesso depende em parte da implementação conjunta e marketing conjunto. Veja abaixo a distribuição ECD para mais informações.
Clientes e Carteiras
Sexta 27th de Maio 2016 – 11AM (11.00 hour European time) Timezone: UMT+1 Berlin.
Vá ate o nosso site para obter o cliente. http://pospro.link/pospro/software/
BLOCK EXPLORER http://explorer.pospro.link
SPECIFICATIONS Nome Oficial: POSPRO Ticker: PSP Scrypt POW/POS Total coins: 84 000 000 Moedas POW: 10 000 000 Distribuição ECD: 30 000 000 coins Carteira de recompenças: 2 000 000 coins (translation etc.) Distribuição DCD (ICO/Prevenda): 10 000 000 coins
POS interest: 7% Número de confirmações: 3 Maturidade da moeda: 50 Idade mínima da moeda: 8 hours Último POW BLOCK: 100 000 Prêmio Block: 100 moedas por block
RPC port= 7026 P2P port= 7025 addnode= server1.pospro.link addnode= server2.pospro.link
– Segurança e controle de todo seu dinheiro – Permite pagamentos internacionais – Custo zero ou baixo – 7% de juros compostos anual – Pagamentos por smarphone feitos com facilidade – Comunidade ativa desde o início
Baixa Inflação POSPRO foi amplamente distribuída ao longo de um curto período da fase de mineração. Não há novas POSPRO, nunca vão ser feitas novas além do juro anual de 7% pago aos detentores de POSPRO . Transações rápidas POSPRO’s prova de sistema de acumulo faz rede POSPRO ser muito rápida. POSPRO é a moeda digital ideal para transações cara a cara e todas as aplicações que valorizam a velocidade.
Forte segurança Blockchain (desde o começo do POS) A rede POSPRO’s é segura contra ataques de outras moedas digitais devido à sua confiabilidade nas operações de mineração em grande escala para executar suas redes. A rede POSPRO não requer o uso de grande escala, ou operações de hardware especializado. POSPRO é muito mais eficiente em termos energéticos do que as redes de moedas digitais tradicionais.
Comunidade é inovadora desde o início POSPRO tem uma comunidade forte e dedicada composta por profissionais e usuários de criptografia talentosos que trabalham duro para levantar a POSPRO , tanto quanto for possível. Esta comunidade é composta pelo programa ECD.
Datas Importantes
• 27 de maio: Lançamento Mainnet • 29 de maio: POSPRO ECD e distribuição DCD
EXCHANGES
Empire-x.ch https://empirex.ch/Market?pair=PSP/BTC https://empirex.ch/Market?pair=PSP/LTC https://empirex.ch/Market?pair=PSP/DOGE https://empirex.ch/Market?pair=PSP/STEPS
Mining pools (POW) http://psp.smarterhash.com http://eu-pool.com:800 http://mineblocks.no-ip.org:2627/pool/PSP/ http://pool.cryptoally.net/
ROADMAP Entre o lançamento da moeda e fase POS
Distribuição inicial na comunidade (ECD)
Registro fechado, para mais informação: www.pospro.link
Essa é a moeda da comunidade, por isso nos fizemos diferente do resto. Para fazer uma moeda de grande sucesso, nós precisamos de várias pessoas / companias e a comunidade.
Para colocar juntos, desde o início precoce (de lançamento) da moeda, uma equipe forte, uma equipe composta por pessoas de diferentes países e com diferentes habilidades. Reservamos um airdrop especial para os participantes. Estes participantes vão nos ajudar a fazer esta moeda um grande sucesso. Eles vão promover POSPRO porque detêm uma parte do estoque de moeda. E aqueles 200 ECD irá segurar a rede desde o dia 1 da fase de POS .
Na verdade , começamos desde o início com uma comunidade de 200 profissionais. Vá ao nosso site para mais informações detalhadas e junte-se a nossa comunidade. www.pospro.link
Doações para distribuição na comunidade (DCD)
Doação DCD / ICO fechada. A moedaPOSPRO passou através de 100 blocos e foram transferidos 10 milhões de moedas para CryptoMaik , CryptoMaik dividiu as moedas para 188 ações, cada ação recebeu 53191 moedas de PSP.
Qualquer um que não cumpra os critérios do ( distribuição antecipada Comunidade ) ECD pode doar alguns Bitcoins durante as semanas de pré-venda. Para esta pré-venda são 10 000 000 moedas reserverdas. Em troca de sua doação, você obtém uma parte equitativa desses 10 000 000 . As moedas são distribuídas uniformemente sobre o número de ações, todo mundo pode comprar sua quota por 0,01 BTC , doação mínima de 1 ação ( 0.01BTC ). Consulte o nosso site para mais informações. ( Primeiras 48 horas 20% de desconto, uma quota de 0,08 BTC ) . Oferecemos a todos a oportunidade de ser um proprietário moeda. Normalmente você pode conseguir algumas moedas muito baratas durante a pré-venda .
Confiar ou nao confiar na POSPRO pré-venda/doação? Há muita desconfiança para ICO de moedas, e ações de pré-venda semelhantes. Infelizmente há muitos scammers que abusam esta forma de distribuição de moeda.
Pedimos ao usuário da Bitcoinalk.org " CryptoMaik " para guiar a nossa DCD ( distribuição da comunidade Doação). Ele é responsável pelas doações e distribuição de 10 milhões de moedas. Ele só vai pagar as doações recebidas , logo que a moeda na MainNet gerar pelo menos 100 blocos e ele receber as 10 000 000 de moedas para a distribuição. Se não podemos produzir uma moeda de trabalho, todas as doações serão devolvidas a você .
Normalmente, a maioria dos usuários vai gritar agora, para este ICO / ação de pré-venda. Por favor, se você não confia nesta forma de pré-venda , o nosso conselho é que não compre ou espere até que a moeda esteja disponível para em troca .
Recompenças
Blockexplorer: 3000 PSP por mês reportagem : 15000 PSP (total para os 3 primeiros relatórios ) antes do fim da ICO ( PM para aprovação antes da publicação ) reportagem : 7500 PSP (total para os 3 primeiros relatórios ) após o lançamento da moeda ( PM para aprovação antes da publicação ) Primeiro piscina extração: 1500 PSP Facebook página : PM
Notícias POSPRO Steemit message (https://steemit.com/crypto-news/@dedriss/pospro--powpos-special-airdrop-ico--community-digital-currency/) XBT.Money News report (http://www.xbt.money/pospro-community-digital-currency/) Medium POSPRO (https://medium.com/@salex91/pospro-pow-pos-special-airdrop-ico-community-digital-currency-d86889a8f2ae#.vdubx4vi5/)
submitted by pedroshooter to CryptoCurrency [link] [comments]


2016.03.13 11:40 AquelecaraDEpoa JEC - dicas sobre a petição inicial

Olá, /brasil! Primeiramente, esclareço que darei uma pausa na minha série sobre o JEC, já que quero estudar um pouco mais sobre o próximo assunto (execução), que é algo que não vi nem em aula nem na vida real ainda.
Bem, vamos ao que interessa. Comecemos pelo mais importante: a formatação. Se sua peça não estiver bem formatada, o juiz, assessor ou estagiário que for ler pode ter alguma dificuldade em entender o que você quer dizer (lembre-se que eles examinam dezenas de petições diariamente). Quanto à fonte, as únicas exigências é que o tamanho seja descente (12 a 14, dependendo da fonte) e que seja agradável aos olhos (eu uso Times, mas Garamond, Arial, Courier New, dentre outras, são populares também). O espaçamento entre as linhas deve, idealmente, ser de 1,5 linhas. Quanto à margem, é recomendado deixá-la um pouco maior à esquerda, pois, se o processo for físico, é ali que furam a folha.
Outra coisa: evite usar muitas páginas, pois ninguém gosta disso. O ideal é menos de 10, mas eu diria que, num caso que exija mais detalhes, 20 estaria ok.
Agora, a introdução. Na primeira linha, escreva isso (alterando o necessário):
EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(ÍZA) DE DIREITO DO __ JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE XX – YY
Salvo se houver apenas um JEC onde você mora, deixe os underscores. Se houver fóruns/foros regionais na sua comarca, especifique a qual você está se dirigindo (ex.: “DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE PORTO ALEGRE – RS”). Se a ação for contra órgão público estadual ou municipal (exceto empresas de economia mista), a petição deve ser endereçada ao Juizado Especial da Fazenda Pública, e não ao JEC, mas se aplicam as demais regras. Contra órgãos públicos federais, você deve se dirigir ao Fórum Federal e endereçar a inicial da seguinte forma: “EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(ÍZA) FEDERAL DA __ VARA DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA SUBSEÇÃO DE XX – YY
Feito isso, deixe um espaço de dez linhas, tecle Tab e digite o seguinte:
“(SEU NOME COMPLETO), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), (RG), (CPF), (endereço), (CEP) vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor a presente
(NOME DA AÇÃO)
em face de (NOME COMPLETO DO RÉU), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), (RG), (CPF), (endereço), (CEP), pelas razões de fato e direito que seguem.”
Se o réu for uma empresa, escreva:
“em face de (NOME COMPLETO DO RÉU), pessoa jurídica de direito privado, (CNPJ), (endereço), (CEP), pelas razões de fato e direito que seguem.”
Se o réu for a União, Estado, Município, o DF, alguma autarquia ou outro órgão público, troque “de direito privado” por “de direito público interno” (isso não vale pra empresas de economia mista, como o Banco do Brasil, Banrisul, etc.).
O nome da ação normalmente é centralizado na peça, mas isso não é obrigatório, sendo possível até mesmo juntar tudo num parágrafo só. Depois da qualificação, deixe umas linhas em branco até chegar na outra página e comece assim:
I – DOS FATOS
Eu pessoalmente uso uma tabela 1x1 com espaçamento simples e não uso os numerais romanos, mas a maioria dos advogados não faz isso. Abaixo desse título, você deve narrar, cronológica e objetivamente, o que aconteceu, mencionando expressamente as provas e/ou testemunhas. Evite sensacionalismos, que dificilmente o juiz te levará a sério. O ideal é usar a terceira pessoa, se referindo a você como “autor” e a outra parte como “réu”, mas o JEC não exige muito formalismo, então se sinta à vontade para usar a primeira pessoa, desde que você se refira à outra parte como “réu”.
Após os fatos, vem o seguinte título:
II – DO DIREITO
Aqui, você deve explicar de forma clara e objetiva, porque você tem direito ao que pede. É aqui que você pode citar leis, jurisprudência e doutrina. Palavra-chave: pode. Se o caso é muito simples e você não quiser citar nada, tudo bem, mas eu recomendo no mínimo citar um dispositivo legal e algum julgado do STJ (nota: citar e transcrever não são a mesma coisa, mas nenhum está errado e, inclusive, no caso da jurisprudência, transcrever é até melhor).
Essa parte pode ser dividida em várias, digamos, “seções”. Por exemplo, num caso de inadimplemento contratual, você pode dividir em “II.1 – DO INADIMPLEMENTO” e “II.2 – DO DEVER DE INDENIZAR”.
Terminada essa etapa, vamos à que, dependendo, pode ser a última ou a penúltima:
III – DOS PEDIDOS
Aqui, você deve especificar o que você está pedindo. Eu recomendo algo assim:
“Ante o exposto, requer-se:
a. A citação do réu para que compareça à audiência de conciliação, conforme o art. 16 da Lei n 9.099/95 e, não havendo acordo, querendo, contestar a presente, sob pena de revelia;
b. A condenação do réu a (insira o que você quer do réu, seja o cumprimento de obrigação, seja o pagamento de indenização);
c. A condenação do réu a pagar as despesas processuais no caso de litigância de má-fé, conforme o art. 55 da Lei nº 9.099/95.
Termos em que pede deferimento.
(cidade e data)
(assinatura)
(nome)”
Se a ação versa sobre anulação de débito, inclua nos pedidos, antes do 1º pedido de condenação, algo como “a declaração de inexistência do débito”. Caso verse sobre Direito do Consumidor, inclua um algo como “a inversão do ônus da prova, nos termos do art. 6º do Código de Defesa do Consumidor”. Se você tem testemunhas, mas não consegue informá-las sobre o processo e levá-las à audiência de instrução e julgamento, peça “a intimação das testemunhas abaixo arroladas”.
Tendo testemunhas (no máximo 3), querendo ou não a intimação delas, essa é a última parte:
ROL DE TESTEMUNHAS
1 - (NOME COMPLETO), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), (RG), (CPF), (endereço), (CEP);
2 - (NOME COMPLETO), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), (RG), (CPF), (endereço), (CEP); e
3 - (NOME COMPLETO), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), (RG), (CPF), (endereço), (CEP).”
O mais importante aqui é ter alguma forma de identificar a testemunha e, principalmente, de intimá-la. Não sabendo o RG, CPF e/ou profissão, você não precisa inseri-los, se as outras informações forem suficientes. Não sabendo o endereço do domicílio, cite o endereço profissional.
Alguns advogados, sabe-se lá porque, simplesmente adoram terminar suas peças escrevendo a palavra “JUSTIÇA” em maiúsculas, com o tamanho da fonte aumentado, em negrito, itálico e sublinhado, seguida de uns 5000 pontos de exclamação. Faz isso não, cara.
E é basicamente isso. Bom processo :)
submitted by AquelecaraDEpoa to brasil [link] [comments]


Como Fazer Ela Pensar em Você sem Parar SEMPRE FAÇA ISSO DEPOIS DE SAIR COM UM HOMEM O MELHOR Método de Como Ser um PEGADOR Detonautas - Até quando? A QUÍMICA É MUITO FORTE MAS ELE SUMIU? O Dia Em Que Eu Sai Com Um Cara Ativo! o que fazer na primeira hora do dia - gabriel goffi e jp resende COMO TRANSFORMAR UM HOMEM GALINHA NO SEU BICHINHO DE ESTIMAÇÃO 05 SEGREDOS QUE O HOMEM REPARA NA MULHER MINHA PRIMEIRA VEZ COM OUTRO CARA (DOEU?) - RBMASCARELLO

70 Perguntas Interessantes Para Fazer a Uma Paquera ...

  1. Como Fazer Ela Pensar em Você sem Parar
  2. SEMPRE FAÇA ISSO DEPOIS DE SAIR COM UM HOMEM
  3. O MELHOR Método de Como Ser um PEGADOR
  4. Detonautas - Até quando?
  5. A QUÍMICA É MUITO FORTE MAS ELE SUMIU?
  6. O Dia Em Que Eu Sai Com Um Cara Ativo!
  7. o que fazer na primeira hora do dia - gabriel goffi e jp resende
  8. COMO TRANSFORMAR UM HOMEM GALINHA NO SEU BICHINHO DE ESTIMAÇÃO
  9. 05 SEGREDOS QUE O HOMEM REPARA NA MULHER
  10. MINHA PRIMEIRA VEZ COM OUTRO CARA (DOEU?) - RBMASCARELLO

Eu separei algumas dicas nesse vídeo para você se tornar um macho alfa 2.0 e saber como ser respeitado pelas mulheres ═══ 📕 CONTEÚDO GRÁTIS ═══ Ouvir um 'EU TE AMO' na primeira semana faz disparar seu coração, despeja na sua corrente sanguinea adrenalina o suficiente pra você nunca ter que pular de pára-quedas na sua vida, te faz ... Sim, você está muito enganada, sei que várias blogueiras ja disseram outros detalhes, mas vou te dizer como HOMEM aquilo que nós reparamos e vocês nem imagin... Essa Técnica Vira o Jogo e faz ele correr atrás de você - Duration: 7:39. Ítalo Ventura 1,018,130 ... ISSO FAZ UM HOMEM SE COMPROMETER COM VOCÊ - Duration: 8:18. Ítalo Ventura 158,100 ... Se Ela te Ignorar Siga esses 6 PASSOS - Duration: 4:56. Manual do Homem 749,924 views. ... Essa Mentalidade faz você Conquistar Qualquer Mulher - Duration: 10:17. Manual do Homem 787,035 views. ESSA DICA ACABA COM OS CONTATINHOS DELE E FAZ DE VOCÊ A Nº1 - Duration: 9:01. Ítalo Ventura 916,287 ... É ASSIM QUE SE PÕE UM HOMEM NA LINHA - Duration: 8:18. Ítalo Ventura 1,162,915 ... Perguntei a vocês sobre qual assunto deveria gravar, e, um cara me falou para fazer um vídeo sobre a minha primeira vez. Então, resolvi fazer o vídeo para co... Como Foi Ser Passivo Pela Primeira Vez! - Duration: 9:34. Jackson Santos 26,603 views. 9:34. O Dia Em Que Eu Sai Com Um Cara Bem Mais Velho! ... Põe Na Roda - Duration: 10:02. Põe Na ... TESTE INFALÍVEL PARA DESCOBRIR SE UM HOMEM ESTÁ AFIM DE VOCÊ - Duration: 8:25. Ítalo Ventura 436,549 views. 8:25. Faz isso que você nunca mais vai se apegar na ... 7:17. ISSO FAZ ELE ... o que você faz na sua primeira hora do dia pode ser determinante pros resultados que vai alcançar nele. dá uma olhada no que eu e o meu amigo joão pedro resende, ceo do hotmart, fazemos nessa ...